Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Avenidas

Nos recantos da avenida
Despida de todos
Gasta de serenidade e alegria
Embebida pelo surto
Consumida pela epidemia…
São restos que me sobraram que me fazem andar
São feridas abertas que ainda me deixam sentir
São palavras ainda vivas que ainda me fazem acreditar
É este aperto no lado esquerdo do peito que me deixa saber viva…
Nos resguardos da noite
Guardo o que ficou de ti
Retalhos de saudade
Trapos de roupa velha
Cartas desbotadas pelo tempo
E eu envelhecida num tempo que se perdeu.
Nos cantos da madrugada
Permaneço irrequieta pela doença
Em silêncio prematuro do sofrimento que me degenera
Aguardando junto à solidão a morte que chega
De forma menos triste que estas avenidas sucumbidas pela noite
Menos triste que a fome a que me entrego
A sede que me afogo
Entre recantos de lembranças tuas
Outrora minhas
Agora nossas
Parto no tempo esquecido
Em busca de candelabros apagados
Velas extintas da saudade
Braços teus que me alimentarão a vida
E darão sentido às avenidas do meu coração.




Joana Sousa Freitas
Enviado por Joana Sousa Freitas em 02/11/2005
Código do texto: T66653
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Joana Sousa Freitas
Portugal, 40 anos
118 textos (7239 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 10:49)
Joana Sousa Freitas