Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BEIJO NA VIDA QUE VOA

              Se eu sei beijar?
              Sei lá...
              existe "saber" nesta matéria?
              algum manual, alguma regra?
              pois nossas bocas são
              apenas portas sensíveis
              que unidas sob intenso querer
              deixam a gente
              na mais estonteante
              estupefação...
              e  adentrando por elas
              não temos pressa de voltar,
              e atados assim por tal
              vontade, deslizamos em círculos.
              E, num momento de intensa paixão,
              desaparecem os contornos,
              viramos então, em doce abraço,
              uma unidade incandescente...
 
              Mas dançar, dançar é outro verbo...
              ah, dançar as voltas da vida,
              os primeiros passos ainda incertos,
               temerosos,
               assustados até...
               Mas aos poucos, a música me deixando
               aturdida e entregue, sentindo o teu braço
               a prender-me firme e terno.
               Dançaria com você por noites sem fim,
                meus pés mal tocando o chão...

                E voar, ah voar... planar sobre os campos
                sobre as cidades, sobre o tédio!
                voar, sim, sinuosamente, espreguiçando
                as asas  e desenhando nos céus
                as boas novas de esperanças revividas...
               
                 Um beijo que dança no canto da boca,
                 Uma dança que beija o chão com pés deslizantes,
                 um vôo que dança coreografias de sonho...
                 
                 A vida que voa tão leve ao amanhecer dos dias,
                 o beijo que não mais terei ao acordar ...
                 os passos da dança da vida
                 agora incertos,
                 sob o silêncio de despedidas!
                 e o vôo do tempo em rotas circulares
                 escreve no ar palavras incompreensíveis.
                 E a minha boca resta calada,
                 enquanto a branca borboleta,
                 em pequenas asas trêmulas,
                 voa em sobe e desce buscando a flor.
                 
                 Resta silencioso  aquele jardim,
                 onde outrora havia promessas ...
                 Ficou no ar um perfume de festas
                 apenas vislumbradas através das janelas.
                 "Você me ensina a dançar?"
                 e um velho vestido de festa,
                 repousa sobre a cadeira da sala vazia
                 um branco vestido
                 que não me veste mais...
                 
tania orsi vargas
Enviado por tania orsi vargas em 02/11/2007
Reeditado em 23/05/2011
Código do texto: T720070
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
tania orsi vargas
Taquara - Rio Grande do Sul - Brasil
772 textos (51504 leituras)
4 áudios (521 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 13:45)
tania orsi vargas