Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vulto

Solidão que costura meus olhos ansiosos
Num resto de desbotada lucidez
Desencontro de vida na cova dos corações imperfeitos
Remete à falha que tua indiferença aprisiona em meu peito
Vi o encanto pendurado do lado de fora
De braços estendidos e músculos secos
E não mais reconheço o vulto da flor que anestesiou os sentidos
Fitei as estrelas sem razão de existir e a porta fechou devagar atrás de mim
De outros andares desce o cheiro das paredes ainda úmidas
Corredores da alma inflamados...se fosse só a noção de doer seria suportável
Mas imagino uma caveira sem luz, calada pelo tempo num jardim mofado
Solidão...
Por pensar na vida a seguir é que se faz a incompreensão do fim
Porque tudo nesse momento único será em vão, até o pensamento
E algo que não sabemos fluir no infinito
Marco Túlio Schmitt Coutinho
Enviado por Marco Túlio Schmitt Coutinho em 16/04/2006
Código do texto: T140127
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Túlio Schmitt Coutinho
Taquari - Rio Grande do Sul - Brasil, 35 anos
4 textos (168 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:46)
Marco Túlio Schmitt Coutinho