Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A dor da solidão


A solidão é inquilina tão antiga, que no costume de vê-la por perto, parece que não estou só.
O silêncio, hospedeiro de minh’alma, anda querendo falar:
Testemunha oculta nas batalhas que travo, aqui, dentro de mim.
Anda querendo contar quantas vezes morro. E, morro tantas vezes e renasço, que começo a achar que sou eterna.
Começo a pensar que inferno e céu moram dentro da gente; e que inferno não é necessariamente um lugar quente, porque sinto minha alma tão fria!
Esses momentos de céu são tão poucos, que aos poucos, aprendo a viver no escuro, tateando lembranças, alimentando minha saudade.
Ando, faz tempo, falando comigo mesma, e quando respondo não ouço:
No calabouço da solidão minha voz não se faz ouvir.
Sigo nas lutas que amealho, e não há atalho para a vitória.
A luta inglória parece escrever o meu destino.
Qualquer hora dessas, lanço mão dessa espada, e numa só cravada, abro mão da minha história.













Arlete de Andrade
Enviado por Arlete de Andrade em 16/09/2006
Código do texto: T241836
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Arlete de Andrade
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 52 anos
16 textos (1743 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:06)
Arlete de Andrade