Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cá estou

Embriagado entre a realidade e o devaneio
Sinto-me inebriado pelo aroma que exala da saudade
Cá,sentado ao canto, vejo o tactar do vento a cortina
Lá, fora, onde não posso tocar, sei que estás.
Vejo que aqui o vento nada pode tocar, levar...
Por um momento sinto-me naufragado em nostalgia

Em minhas mãos amparo as palavras que restaram como refugo
O tempo parece não passar...
No cálice ao chão agora vazio, sucumbia outrora todo o meu querer
Restara apenas a nódoa, no tapete, no papel, nas lembranças de um ser
Na dor em um coração...

Teu cheiro parece fincado sobre o quarto, trazido pelo vento talvez
Fragrância amena que se assemelha a tristeza do findar
De minh’alma recai um suspiro, saber que um dia houve vida
Me levanto, pego então o cálice ainda frio da solidão
E o encho, entre poemas, lágrimas, sonetos e um coração.

Talvez ainda haja um raiar...



Junior Antonio
Enviado por Junior Antonio em 10/10/2006
Reeditado em 10/10/2006
Código do texto: T260808
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Junior Antonio
Paracatu - Minas Gerais - Brasil
181 textos (8146 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:39)
Junior Antonio