Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vejo tua palavra, Olho a minha.

Vejo a prosa e o contar.
Vejo a alma exposta do virtu, e nas palavras, vãs tentativas de se explicar.
Se sou o camaleão que nada reflete,
como irei também a ti me mostrar?

Tu que escreves ao mundo,
com palavras soltas numa fria liberdade,
porque compõe preso a sua imagem?
Solte-se do medo, ira ou vaidade,
pois há que descer a cortina da realidade,
a partir de então, de nada adiantará o anonimato nessa viagem.

Por momentos consigo me descrever.
Silencioso.
Só eu me escuto.
Só eu me conheço.
Há tanto por falar em mim.
Só meus momentos podem falar de mim.
William Marcos
Enviado por William Marcos em 15/07/2005
Código do texto: T34557
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
William Marcos
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 47 anos
5 textos (342 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:56)
William Marcos