Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A INCONSISTÊNCIA DO ESCURO



De repente, a escuridão impregnou a alma

E se desfizeram os arquétipos e as imagens vis,

Tu choravas com a face fria e calma,

Mas secaste as lágrimas e, agora, sorris...




No breu, entretanto, sorrisos são vãos,

Não há mais a intrépida luz refletindo em máscaras mil,

Nem lídimas esperanças, nem segredos sãos,

Só há sensações amorfas de imagens que alguém sumiu...



O que é o escuro senão a inconsistência plena

Dessa existência virtual que se dissipa, aniquila e envenena

O ego martirizado por dentro da tênue carne,

Efêmera em sua própria eternidade, silenciosa em seu alarme ?



No escuro, enfim, não há sombras do que fazemos,

Nem resquícios dos lugares aonde fomos,

No escuro não somos nada mais, nada menos

Do que as estranhas criaturas que nós somos.
Juliana Silva Valis
Enviado por Juliana Silva Valis em 09/09/2007
Código do texto: T644522

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Juliana Silva Valis
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 33 anos
3973 textos (881655 leituras)
4 e-livros (1863 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 16:34)
Juliana Silva Valis