Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quando Invade a Amargura

Quando invade a amargura
M’nha alma se evola ao além,
No alvoroço do pobre coração.

Quando invade amargura,
Se atordoa a mente na confusão
Do existencial.
 
Volatiliza-se a trajectória da vida
No mar dos pensamentos sem forma
Nem rumo.

Meu orgulho ainda adolescente é um
Tédio que se derrete perante
Adversários traiçoeiros
Que expiam o ápice crucial
Para me derribar.

A grandeza espalhada da minha humildade
É a razão do embuste dos meus inimigos
Que ainda, abalado,
Não cessam de me apedrejar.

Qual Canoa imóvel sobre calemas,
No quebradiço de lemes fixos
Nas mãos dos homens nus,
Navegando sobre os perigos
Do mar das incertezas.

De repente, o farol aceso
No horizonte,
Configura a natureza objectiva
Na lucidez mental.

Um farol, uma luz,
Um conselho amigo, um retorno à vida,
Com a mão suavizante
E reconfortante do Criador,
Quando Invade a Amargura.
salueira costa
Enviado por salueira costa em 12/10/2007
Código do texto: T691168

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
salueira costa
Angola
24 textos (815 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 11:44)