Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CANÇÃO DE SER TRISTE

lisieux
 
Como ser otimista, radiante,
se minha estrela (astro inconstante)
vive no céu, a se esconder assim?
E como vou sorrir, se nesse instante,
me ataca o coração punhal cortante
e só me faz sentir pena de mim?
 
Como levar nas mãos raio brilhante
se o meu olhar, outrora cintilante,
se apaga estando assim longe do teu?
Como cantar a musical corrente
dos rios calmos, se feroz enchente
deságua sem parar no peito meu?
 
Como descer da serra uma vertente
a saltitar, plena de luz, contente,
se o meu caminho é tão empoeirado?
Como soltar a voz suavemente,
se dos meus lábios brotam, de repente,
tristes gemidos, vindos do passado?
 
Empoeirado também fica o meu plangente
violão que era o amigo e confidente
nas lindas melodias de paixão.
Mas hoje abandonado, ali, silente,
ele não fala mais à minha mente,
nem toca as cordas do meu coração.
 
E o que eu posso, amado, é tão somente,
tentar deixar o coração dormente,
fazer de conta que tenho alegria...
Mas não consigo - o meu olhar não mente -
sorrir pro mundo todo, futilmente,
trazendo a minha alma tão vazia...
 
E na verdade o que me faz doente,
que faz doer o peito fortemente
e joga a sanidade nos desvãos,
é a minha poesia inconseqüente
que faz-me amar-te indefinidamente
e que me entrega toda em tuas mãos.
 
BH - 09.11.07
lisieux
Enviado por lisieux em 09/11/2007
Reeditado em 27/11/2007
Código do texto: T730832
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
lisieux
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 62 anos
394 textos (14580 leituras)
3 e-livros (409 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 08:37)
lisieux