Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LAMENTO


Calada ficou a voz na madrugada
Nada se ouvia além do lamento
Que se misturava com a escuridão.
A aurora cada vez mais distante
O frio em prenúncio de uma solidão insistente,
Parecia o fim!
A tristeza sombria pairava por sobre o quarto
Caíam as estrelas no lapídeo vão da saudade
Lágrimas em torrentes submergiam as mãos tiritantes
Que inutilmente procuravam alcançar o nada.
Vã esperança!
Os olhos cegos, cegos de uma dor doída
Que induzia os lábios a pronunciarem silêncio
Silêncio que perseverava com seu amarume
Transmutando a alegria em lamento
No coração arquejante da alma só.
Parecia o fim!
O sol, a lua, o céu,
Confundiam-se atordoados no firmamento
E a chuva secava os desejos do corpo exaurido
Fragilizado pelo fragor da palavra mal dita
E e a preterição da palavra não dita,
Que o combaliam com sua devassidão.
Cursava a noite, como cursa toda noite
E ao seu findar dá lugar ao dia
Enquanto o corpo, inerte e macilento
Contraía-se em sua insipidez
Em desalento renegava a vida
Pois acreditava que chegara o fim.



Nádia Mourão Mello
Enviado por Nádia Mourão Mello em 20/11/2007
Reeditado em 17/10/2008
Código do texto: T744378
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nádia Mourão Mello
Brasília - Distrito Federal - Brasil
136 textos (16377 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 20:06)
Nádia Mourão Mello