Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lembrança

Devo ser mesmo o último vivente
Que conheceu o já tão decrescente
Pilar humano de suprema dor
Hoje a palavra apenas é lembrada
Como reflexo, imagem quebrada
Da poesia que já foi o Amor.

Não acredito mais nessa demência
Não quero mais, não tenho paciência
Para conter essa maldita dor.
Vou do solstício ao equinócio frio
Banhar-me nu nas águas de algum rio
Para limpar essa impura cor.

Fermento a dor nesse esquecimento
Trazendo as feras más desse tormento
De volta à vida pra morrer mil vezes.
E então tal sentimento a revelia
Parece decrescente à covardia
Que se lhe açoita todos esses meses.

Volvendo agora sinto a mudança
Levar de volta aos tempos de criança
Os sentimentos que eu não quero mais

Porém, não sei se sou iniciante
Para cair nas mãos de tal amante
Quero de volta a minha antiga paz.
gothmate
Enviado por gothmate em 08/12/2005
Código do texto: T82369

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (por gothmate igni delirium). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
gothmate
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 41 anos
26 textos (1005 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:00)
gothmate