Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lágrimas de uma maré

Manhã preguiçosa
A que hoje me acordou;
Força intrínseca teimosa
Que a noite lamentou!

Entre a parede branca
Do meu quarto acizentado
Emerge um medo que se agiganta
Mantendo meu olhar arregalado.

Conto seres imaginários
Num céu azul celeste,
São pensamentos refractários
Num negro manto agreste...

Suplico a uma qualquer
Poderosa divindade:
Traçai-me o esboço de mulher;
Libertai-me da minha ingenuidade!

Súplicas regadas pelo chorar
Intenso, constante e ferido
De alguém que se quer encontrar
No seio de um labirinto erguido
Pela sua própria forma de pensar.

Agora, na beira da estrada,
Aqui, ao pé do mar sentada;
Revejo-me no espelho das águas;
Revivo minhas mágoas...
Mas, sinto-me mais encorajada!?

O sol quente parece comunicar
Através do seu modo apaziguante
De me aquecer como seu calor...
E, é nesse efémero instante
Que me faz erguer o olhar
Encarando o medo sem temor.

Sou uma filha do mar;
Iemanja é a minha mãe divina!
Nas suas águas me deixa banhar
Enxaguando minhas lágrimas de menina.

Com essas lágrimas intensas
Gerei uma brutal maré alta:
Ondas bruscas são imensas...
Alma ingénua que se sobressalta!
artescrita
Enviado por artescrita em 04/02/2006
Código do texto: T107963
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
artescrita
Portugal, 33 anos
107 textos (4742 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:24)