Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os anjos amam.

Meu elixir está vazio,
Sem tal poção, não disfarço minha frouxidão.
Sigo um vulto, não tenho destino.
No preto e branco, espero o renascer da cor.
Pasmo molesto, anêmico de amor.
Perto da pane, esvaecido pro vôo.

Grito pedindo teu efeito lenitivo pro tormento lancinante.
Mas, por fim, é só um piado no profligar de um padecente.
Na fantasia, miro o alento no horizonte.
Vejo o retrato da minha estrela configurado ao sol poente,
Que pra minha energia, tua luz rainha é fonte.

Na cachoeira de um rio nascente, a dor expresso.
Vasculho ali por teu reflexo.
Tomado no tempo. Tocado pelo vento,
Que, no deformar do vórtice com pétalas,
Vem para insinuar as tuas asas.

Do céu, ainda hei de ter sustento.
À espera, já no próximo aposento,
Da missão cumprida do saber enriquecido.
Ao vasto eterno esquecido,
pelos pedaços do finito,
Nada nos leva ao elo rompido.
Jackson Gomes Abrahão
Enviado por Jackson Gomes Abrahão em 04/06/2006
Reeditado em 04/06/2006
Código do texto: T169337
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jackson Gomes Abrahão
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
6 textos (237 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:31)