Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROVÉRBIOS DE SALOMÃO. CAP. 8.


Não clama a sabedoria, porventura,
E não faz o entendimento soar a sua voz?
Junto ao caminho, no cume das alturas,
Nas encruzilhadas das veredas se coloca.

Junto às portas, à entrada da cidade,
E à entrada das portas está clamando:
A vós, ó homens, clamo;
E a minha voz se dirige aos filhos dos homens.

Aprendei a prudência, ó símplices;
A sabedoria entendei, ó loucos;
Ouvi vós, porque profiro coisas excelentes;
Se abrem para a eqüidade os meus lábios.

Porque a minha boca profere a verdade;
Todas as palavras delas são justas;
Os meus lábios abominam a impiedade;
A minha palavra não é tortuosa nem perversa.

Para o que bem as entende, todas elas são retas,
E justas para os que acham o conhecimento.
Aceitai antes a minha correção e não a prata;
E o conhecimento, antes do que o ouro escolhido.

Porque melhor do que as jóias é a sabedoria;
E de tudo o que se deseja nada se pode comparar com ela, não.
Eu, a sabedoria, habito com a prudência,
E possuo o conhecimento e a discrição.

Odiar o mal, é o temor do Senhor;
A soberba, o mau caminho, a arrogância,
E a boca perversa, eu os odeio.
Meu é o conselho e a verdadeira sabedoria;
Minha é a fortaleza; eu sou o entendimento.

Por mim reinam os reis,
E os príncipes, coisas justas decretam,
Assim como os nobres;
Sim, todos os juizes da terra.

Eu amo aos que me amam,
E os que diligentemente me buscam me acharão.
Possuo comigo riquezas e honra;
Sim, riquezas duráveis e justiça comigo estão.

Melhor é o meu fruto do que o refinado ouro;
E a minha renda melhor do que a prata escolhida.
Pelo caminho da retidão eu ando,
No meio das veredas da justiça;
Os tesouros enchendo,
E de bens permanentes, os que me amam.

O Senhor me criou como a primeira das suas obras,
O princípio dos seus feitos mais antigos.
Desde a eternidade fui constituída,
Antes de existir a terra, desde o princípio.

Antes de haver abismos, fui gerada,
Antes que os montes fossem firmados,
E antes ainda de haver fontes cheias d’água;
Eu nasci antes dos outeiros.

A terra com seus campos ele não tinha feito ainda,
Nem sequer do pó do mundo, o princípio.
Quando ele preparava os céus, ai eu estava;
E quando traçava um círculo sobre a face do abismo.

Quando ele ao mar o seu termo fixava,
Para que as águas não traspassassem o seu mando,
Quando Ele os fundamentos da terra traçava,
Então eu estava como arquiteto a seu lado;
E cada dia as suas delícias, eu era,
Alegrando-me perante Ele em todo o tempo.

Folgando no seu mundo habitável,
E achando com os filhos dos homens as minhas delícias.
Agora, pois, filhos, ouvi-me;
Porque os que guardam os meus caminhos são felizes.

Ouvi a correção e não a rejeiteis, e sede sábios.
Feliz é o homem que ouvidos me dá,
Velando cada dia às minhas entradas,
Esperando junto às ombreiras da minha porta.

Porque o que me achar, achará a vida,
E o favor do senhor alcançará.
Mas o que pecar contra mim,
Mal à sua própria alma fará;
Todos os que me odeiam amam a morte;
Decreta sua sorte quem me rejeitar.

oliprest
Enviado por oliprest em 10/10/2007
Código do texto: T688235
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181749 leituras)
245 áudios (2546 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 03:12)
oliprest

Site do Escritor