Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROVÉRBIOS DE SALOMÃO. CAP. 14.


A mulher sábia edifica a sua casa;
A insensata, a derruba com as suas mãos.
Teme ao Senhor quem na sua retidão anda;
Mas o despreza o de perverso coração.

Na boca do tolo está a vara da soberba,
Mas os lábios do sábio preservá-lo-ão.
Onde não há bois, a manjedoura está desocupada;
Mas pela força do boi abundância de colheitas haverão.

A testemunha falsa se desboca em mentiras;
Mas não mentirá a testemunha veraz.
O escarnecedor busca e não encontra a sabedoria;
Mas para o prudente o conhecimento é fácil de achar.

Vai-te da presença do estulto,
Pois nele palavra de ciência não acharás.
A sabedoria do prudente é entender o seu caminho;
Porém a estultícia dos tolos é enganar.

Os loucos zombam do pecado;
Mas entre os retos boa vontade há.
Não participa da alegria do coração o estranho;
Pois o coração conhece a sua própria amargura.

Desfar-se-á a casa dos ímpios;
Porém a tenda dos retos florescerá.
Há um caminho que ao homem parece direito,
Mas no seu fim a morte está.

O coração terá dor até no riso;
E o fim da alegria é tristeza.
O infiel de coração se fartará dos seus caminhos;
E o homem bom dos seus se contentará.

O prudente atenta para os seus passos;
O símplice dá crédito a tudo.
O sábio teme e desvia-se do mal;
Mas o tolo é arrogante e dá-se por seguro.

Fará doidices quem facilmente se ira;
Mas o discreto é paciente.
Os símplices herdam a estultícia;
Mas se coroam de conhecimento os prudentes.

Os maus, perante os bons se inclinam;
E os ímpios, diante da porta dos justos.
O pobre é odiado até pelo seu vizinho;
Mas os amigos dos ricos são muitos.

Peca o que ao seu vizinho despreza;
Mas feliz é o que do pobre se compadece.
Porventura os que maquinam o mal não erram?
Mas para os que planejam o bem há beneficência e fidelidade.

Há proveito em todo trabalho;
Meras palavras, porém, só levam à penúria.
A riqueza é a coroa dos sábios;
Porém a estultícia dos tolos não passa de estultícia.

A testemunha verdadeira livra as almas;
Mas o que fala mentiras é falso.
No temor do Senhor há firme confiança;
E os seus filhos terão um lugar de amparo.

O temor do senhor é uma fonte de vida;
Para dos laços da morte o homem desviar.
Na falta do povo está a ruína do príncipe;
E na multidão do povo a glória do rei está.

É grande em entendimento o que em irar-se é tardio;
Mas quem é de precipitado ânimo exalta a loucura.
É a vida da carne, o coração tranqüilo;
Porém é podridão dos ossos a inveja.

O que oprime ao pobre, o seu criador insulta;
Mas honra-o aquele que se compadece do necessitado.
O ímpio pela sua malícia é derrubado;
Mas o justo até na sua morte acha refúgio.

A sabedoria do prudente repousa no coração.
Mas ela não é conhecida dos tolos;
A justiça exalta as nações;
Mas o pecado é o opróbrio dos povos.

Ao servo que procede sabiamente,
É concedido do rei o favor.
Mas sobre o que procede indignamente,
Virá a cair o seu furor.
oliprest
Enviado por oliprest em 15/10/2007
Código do texto: T695813
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
1906 textos (175988 leituras)
245 áudios (2452 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 06:21)
oliprest

Site do Escritor