Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROVÉRBIOS DE SALOMÃO. CAP. 21.


Como corrente d’água é o coração do rei na mão do Senhor;
Ele o inclina para onde quer,
Todo caminho do homem é reto aos seus olhos;
Mas o Senhor os corações pesa.

Fazer justiça e julgar com retidão,
É mais aceitável ao Senhor do que oferecer-lhe sacrifício.
Olhar altivo e orgulhoso coração,
É pecado tal lâmpada dos ímpios.

Os planos do diligente conduzem à abundância;
Mas todo precipitado apressa-se para a penúria.
É uma vaidade fugidia ajuntar tesouros com língua falsa;
Busca a morte quem os buscam.

Arrebatá-los-á a violência dos ímpios,
Porquanto recusam praticar a justiça.
Do homem perverso é tortuoso o caminho;
Mas do justo é reto o proceder.
Melhor é morar num cato do eirado,
Do que numa casa ampla com a rixosa mulher.

Deseja o mal a alma do ímpio,
Aos seus olhos o seu próximo não agrada.
Quando o escarnecedor é castigado, torna-se sábio o símplice;
E quando recebe o conhecimento, é instruído o sábio.

O justo observa a casa do ímpio,
Precipitando-se os ímpios na ruína.
Quem ao clamor do pobre tapa o seu ouvido,
Não será ouvido quando clamar.

O presente dado em segredo aplaca a ira;
E a forte indignação, a dádiva dada às escondidas.
É alegria para o justo praticar a justiça;
Mas é espanto para os que a iniqüidade pratica.

Se desviado do caminho do entendimento o homem anda,
Na congregação dos mortos repousará.
Empobrece quem os prazeres ama;
E quem ama o vinho e o azeite nunca enriquecerá.

Resgate para o justo é o ímpio;
E em lugar do reto o prevaricador ficará.
Morar numa terra deserta, é melhor
Do que com a iracunda e rixosa mulher.

Na casa do sábio há tesouro precioso e azeite;
Mas o homem insensato os devora.
Aquele que a justiça e a bondade segue
Achará a vida, a justiça e a honra.

A cidade dos valentes, o sábio escala,
E derriba a fortaleza em que ele confia.
A sua alma das angústias guarda
O que guarda a sua boca e a sua língua.

Zombador é o nome do presumido e soberbo;
Ele procede com insolente orgulho.
O desejo mata o preguiçoso;
Porque as suas mãos a trabalhar se recusam.

Todo o dia o ímpio cobiça;
Mas o justo dá, e nada retém.
Dos ímpios é abominação o sacrifício;
Quanto mais oferecido com má intenção.

Perecerá a testemunha que mente;
Mas o homem que ouve, falará sem ser contestado.
O homem ímpio, o seu rosto endurece;
Mas o reto os seus caminhos considera.

Não há entendimento, nem sabedoria,
Nem conselho contra o Senhor.
O cavalo prepara-se para o dia da batalha;
Mas a vitória vem do Senhor.
oliprest
Enviado por oliprest em 22/10/2007
Código do texto: T705350
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
1906 textos (175937 leituras)
245 áudios (2452 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 14:56)
oliprest

Site do Escritor