Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROVÉRBIOS DE SALOMÃO. CAP. 22.


Melhor do que as muitas riquezas é o bom nome;
E do que a prata e o ouro, o favor é melhor.
Encontram-se o rico e o pobre;
Quem os fez a ambos foi o Senhor.

O galardão da humildade e o temor do Senhor,
São riquezas, honra e vida.
Espinhos e laços há no caminho do perverso;
O que guarda a sua alma, para longe deles se retira.

No caminho em que deve andar, instrui o menino,
E até quando envelhecer dele não se desviará.
Sobre os pobres domina o rico;
E o que toma emprestado é servo do que emprestar.

O que semear a perversidade segará males;
E falhará a vara da sua indignação.
Será abençoado quem com olhos bondosos vê;
Porque ao pobre dá do seu pão.

Lança fora o escarnecedor, e a contenda se irá;
A rixa e a injúria cessarão.
Os que amam a pureza de coração e têm nos seus lábios graça,
O rei, por seu amigo, terão.

Os olhos do Senhor preservam o que tem conhecimento;
Mas Ele as palavras do prevaricador transtorna.
Um leão está lá fora, diz o preguiçoso;
Serei morto no meio das ruas.

Cova profunda é a boca da adúltera;
Aquele contra quem o Senhor está irado, nela cairá.
Está ligada ao coração do menino, a estultícia;
Mas a vara da correção, dele a afugentará.

O que para aumentar o seu lucro o pobre oprime,
E dá ao rico, certamente chegará à penúria.
Ouve as palavras dos sábios e o teu ouvido inclina,
E o teu coração à minha ciência aplica.

Porque será coisa suave, se as guardares no teu peito,
Se estiverem todas elas prontas nos teus lábios.
Para que a tua confiança esteja no Senhor,
A ti mesmo tos fiz hoje saber.

Porventura não te ensinei coisas excelentes,
Acerca dos conselhos e do conhecimento, também,
Para te fazer saber a certeza das palavras da verdade,
Para responderes com palavras de verdade aos que te enviarem?

Não roubes ao pobre, porque é pobre,
Nem oprimas ao aflito na porta;
Porque o Senhor defenderá a sua causa em juízo;
E tirará a vida aos que o rouba.

Com o homem colérico não andes,
Nem faças amizade com o iracundo;
Para que não aprendas as suas veredas,
E para tua alma não tomes um laço.

Não estejas entre os que se comprometem,
Que por fiadores de dívidas, ficam.
Se com que pagar não tens;
Por que a tua cama de debaixo de ti, tirariam?

Não removas os limites antigos que fixaram teus pais.
Vês um homem hábil na sua obra?
Esse assistirá perante reis;
E perante homens obscuros não assistirá.
oliprest
Enviado por oliprest em 23/10/2007
Código do texto: T707083
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
1912 textos (176147 leituras)
245 áudios (2455 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 18:08)
oliprest

Site do Escritor