Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROVÉRBIOS DE SALOMÃO. CAP. 26.


Como a neve no verão, e como a chuva na ceifa,
Assim não convém honra ao tolo.
Como a andorinha no seu voar e como a ave que vagueia,
Assim a maldição sem causa não encontra pouso.

O açoite é para o jumento, para o cavalo o freio
E para a costa dos tolos a vara.
Segundo a sua estultícia não respondas ao tolo,
Para que semelhante a ele não te faças.

Ao tolo, segundo a sua estultícia, responde,
Para que ele não seja sábio aos seus olhos.
Os pés decepa e o dano bebe,
Quem manda mensagens pela mão dum tolo.

As pernas do coxo pendem frouxas;
Assim, na boca dos tolos, é o provérbio.
Como o que ata a pedra na funda,
Aquele que dá honra ao tolo, assim é.

Como o espinho que entra na mão do ébrio,
Assim é o provérbio na boca dos tolos.
Como o flecheiro que a todos fere,
Assim é o que assalaria ao ébrio ou ao transeunte bronco.

Como o cão que torna ao seu vômito,
Assim é o tolo que a sua estultícia reitera.
Vês um homem que é sábio a seus olhos?
Mas esperança há no tolo do que para ele.

Um leão está no caminho, diz o preguiçoso,
Um leão está nas ruas.
Como a porta se revolve nos seus gonzos,
Assim o faz o preguiçoso na sua cama.

O preguiçoso esconde a sua mão no seio,
E, levá-lo de novo à boca, não quer ao menos.
Mais sábio é o preguiçoso a seus olhos
Do que sete homens que sabem responder bem.

O que passando, em questão alheia se mete,
É como aquele que toma um cão pelas orelhas.
Como o louco que atira tições, flecha e morte,
Assim é o que engana a outro, e diz que o fez por brincadeira.

Faltando lenha, apaga-se o fogo;
E não havendo difamador, a contenda cessa.
Como o carvão para as brasas, e a lenha para o fogo,
Assim é o homem contencioso para acender rixas.

As palavras do difamador são como deliciosos bocados,
Que descem ao íntimo do ventre.
Como o vaso de barro coberto de escória de prata,
Assim são o coração maligno e os lábios ardentes.

Dissimula com os seus lábios, aquele que odeia;
Mas no seu interior entesoura engano.
Quando te suplicar com suave voz, não o creia;
Porque no seu coração há sete abominações.

Ainda que com dissimulação o seu ódio se encubra,
Na congregação a sua malícia revelada será.
Cairá nela o que faz uma cova;
E aquele que revolver a pedra, ela sobre ele cairá.
Àquele a quem ela tem ferido, a língua falsa odeia;
E a boca lisonjeira opera a ruína.
oliprest
Enviado por oliprest em 25/10/2007
Código do texto: T709170
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
2149 textos (181721 leituras)
245 áudios (2546 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 20:04)
oliprest

Site do Escritor