Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROVÉRBIOS DE SALOMÃO. CAP. 30.

Palavras de Agur, filho de Jaqué.
Diz o homem a Ucal, e a Itiel:
Que eu sou mais estúpido do que ninguém, verdade é;
O entendimento do homem não tenho.

A sabedoria não aprendi,
Do santo, o conhecimento, não tenho.
Quem do céu desceu, e ao céu subiu?
Quem encerrou os ventos nos seus punhos?

Quem amarrou as águas no seu manto?
Quem estabeleceu, da terra, todos os limites?
Qual é o seu nome,
E qual é o nome de seu filho?

Toda palavra de Deus é pura;
Para os que nele confiam, Ele é um escudo.
Nada acrescentes às palavras suas,
Para que não sejas achado mentiroso
E ele não te repreenda.

Duas coisas peço-te:
Não mas negues antes que morra;
Alonga de mim a mentira e a falsidade;
Não me dês nem a riqueza nem a pobreza;

Dá-me só o pão que me é necessário;
Para que eu de farto não te negue,
Ou, empobrecendo,  diga: Quem é o Senhor?
E não venha a furtar, e o nome de Deus profane.

Diante do seu Senhor, não calunies o servo,
Para que ele não te amaldiçoe e tu culpado fiques.
Que amaldiçoa a seu pai, há povo;
E gente há que a sua mãe não bendiz.

Há gente que é pura aos seus olhos,
E, contudo, nunca foi lavada da sua imundícia.
Há gente que tem altivos olhos,
E cujas pálpebras são levantadas para cima.

Há gente cujos dentes são como espada,
Para devorarem os necessitados dentre os homens;
Sim, há os que cujos queixais são como facas,
Para os aflitos, da terra devorarem.

A sanguessuga tem duas filhas, a saber: dá, dá.
Há três coisas que nunca dizem: basta;
O sheol, a madre estéril, a terra que não se farta d’água,
E o fogo que nunca diz: basta.

Os olhos que zombam do pai,
Ou desprezam a obediência à mãe,
Serão arrancados pelos corvos do vale,
E devorados pelos filhos da águia.

Que são maravilhosas demais para mim, três coisas há;
Sim, há quatro que não conheço:
O caminho da águia no ar,
Da cobra, na penha, o caminho;
O caminho do navio no meio do mar,
E o caminho do homem com uma virgem.

Tal é o caminho da mulher adúltera:
Ela come,
E limpa a boca,
E diz: não pratiquei iniqüidade.

Por três coisas estremece a terra,
Sim, há quatro que não pode suportar:
O escravo quando reina;
O tolo quando come a se fartar;
A mulher desdenhada quando se casa;
E a serva quando fica da sua senhora, herdeira.

Que são pequenas, na terra há quatro coisas:
Um povo sem força são as formigas,
Entretanto são extremamente sábias.
Pois preparam no verão a sua comida.

Os querogrilos são um povo débil;
Contudo fazem a sua casa nas rochas;
Os gafanhotos não têm rei,
Contudo, todos, enfileirados marcham;

A lagartixa apanha-se com as mãos,
Contudo anda nos palácios dos reis.
Há três que andam com elegância,
Sim, quatro que airosamente se movem:

O leão, que entre os animais é o mais forte.
E que não se desvia diante de ninguém;
O galo emproado e o bode,
E, à frente do seu povo, o rei.

Se loucamente em te elevares procedeste,
Ou se maquinaste o mal, a tua mão põe sobre a boca.
Pois como o espremer do leite produz queijo verde,
E o espremer do nariz produz sangue,
Assim a ira produzirá contenda.
oliprest
Enviado por oliprest em 26/10/2007
Reeditado em 10/11/2007
Código do texto: T710528
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
oliprest
Manaus - Amazonas - Brasil, 67 anos
1906 textos (175898 leituras)
245 áudios (2449 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 01:19)
oliprest

Site do Escritor