Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Feridas da Alma

Urge dentro do meu ser a moléstia do passado
Encroada na derme já eternecida pela meia idade
Procuro no escuro minha vaidade já um tanto cansada
Pelas dores no peito esfalecido,porém não emudecido.

Retrospectar as experiências vividas e muitas vezes mal resolvidas,
Mas que deixou o olfato da plenitude da realidade
De um ser que aprendeu com a dor o sentido do prazer
Nos pequenos lhames intrínsecos do ser.

O coração endurecido por vezes grita a agonia de viver
De simplesmente ser e não querer ter,
E sem menos esperar encontra a verdadeira Felicidade dos pobres mortais, que ainda urge na ânsia de encontrar, o que tão perto de sí está.

Emoldure o passado
Decore o presente
O que passou é passado
O que restou é a gente!

Lucimeiri
Enviado por Lucimeiri em 30/05/2006
Código do texto: T166161
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lucimeiri
Bebedouro - São Paulo - Brasil
4 textos (337 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:33)