Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rosas de Vento

Em meu sonho folhas secas dançam contra o vento;
Vento que corta os vidros e invade a alma.
Meus olhos ressecados fitam a paisagem petrificada;
Não há colorido neste sonho, apenas o preto dos contornos e o sofrer das sombras

Desliza o vento a acariciar-me as mãos abertas;
Avisando-me do previsível, pois que de imediato arrebato-lhe com um soco no ar;
Digo-lhe não! E não está mais ali... o vento à minhas mãos.
Quero o ilusório turvo do horizonte – miragem!

Caminho vestindo ironia pela linha férrea;
Corro cheirando inutilidade pelas ruas retas.
O sol está lá... estatelado no céu! Sorrindo para seu ofuscante acinzentado;
Passeando de glórias em glórias, a tentar cintilar o confuso entardecer high-tech

A porta do jardim escondida em meus sonhos convida-me: “Ame e deixe amar!";
Carrego junto a mim um presente embrulhado em papel xadrez preto-e-branco;
Ao entrar cego como um homem, vejo flores...
Lá estão em cores nunca vistas antes, as flores.
 
Um velho sentado ao canto soluçando: “São Rosas a chorar!“;
Como o vento, elas chegam a meus olhos a me olhar e a minhas mãos a me tocar.
Fazem-me largar o presente ao acaso como se nada fosse – um suspiro apenas;
Cerro os punhos como se a socar, mas não soco – rasgo o vento a guardar-lhe a cor
 
Choro com o velho e sento a seu lado, ambos a rasgar;
Dali não me levanto, incansável a mirar com olhos molhados o campo de rosas!
Ah! Como é belo o seu colorido horizonte...
Estou sentado a correr com o vento apanhando em colorido rosa-vento.


                                           05/07/2005
                     Do sofrer ao correr para meus amados/
Thiago Castro
Enviado por Thiago Castro em 17/11/2005
Reeditado em 17/11/2005
Código do texto: T72706
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Thiago Castro
Curitiba - Paraná - Brasil, 33 anos
12 textos (414 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:45)
Thiago Castro