Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Em cada manhã um giro no olhar e desfaleço,

A voz do silencio me chama,
Atenção me suplica, em gozo reclama,
Perco-me na solidão do teu olhar,
Mas ao mesmo tempo sinto o teu calor me sufocar,
Grito ao mundo, perguntando se alguém ouviu?
E a voz do silencio não para de me chamar,
Volto às mãos pelo corpo acariciando as partes que cobiças,
Tremuladamente dos teus lábios escorre o sumo de prazer,
Então, não resisto!
Entrego-me, no acaso da escura, sólida e muda visão,
Teus braços entrelaçam aos meus,
Teu corpo em delírio grita de paixão,
A voz dos teus anseios estremece o chão que me sustenta,
A noite torna-se então uma criança perdida, aflita e desorientada,
A nudez do sussurrar enganando as letras e os dedos procurando um espaço,
Aos poucos vais me consumindo, exaurindo do silencio,
O furor desta loucura,
Desta agonia,
Que domina este pobre ser,
EU...
Mirão da Estrada
Enviado por Mirão da Estrada em 15/11/2007
Código do texto: T738543
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mirão da Estrada
Blumenau - Santa Catarina - Brasil, 50 anos
498 textos (14818 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 11:55)
Mirão da Estrada