Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem saída

Baixa forma nua
trancada na subida de alguma barca leve e torta.
Tentando sonhar com as estrelas em uma noite de cheio luar.
São ecos dos nossos sons profanos,
propagados pelos cantos de um mundo vazio e sem crença,
perdidos nos desertos das nossa incertezas.
Terças de inverno a quarenta graus,
deslocando o vazio da minha célula a procura da real natureza que me revela.
Não se tem saída ao amar.
Se morre rezando a todos os tipos de santos pra aquilo não acabar.
Saídas de um beco sem saída,
costeando a entrada da minha ferida,
que sangra inutilmente ao lembrar das tantas despedidas de uma vida.
Cai a lágrima de gelo
derretendo minha face e saciando o ego do meu medo
trancafiado no fundo dos meus segredos.
Não adianta fugir quando o mal esta dentro da nossa escolha,
faminto por vida e liberdade,
desprovido de qualquer culpa.
Ganha ou perde quem prefere um lado e no outro interfere,
pra matar ou morrer,
juntando restos fétidos das guerras que não escolheu pra defender.
Reflexos da insanidade humana,
seguindo seus deuses humanos,
comandados pela ganância da nossa liberdade social.
Desarmado o povo chora e ama,
ri e clama,
rola na lama pra tentar ser feliz no mundo em que não se vê nenhum coração.
São marcas das suas próprias escolhas,
transformadas em pedaços de rolhas
jogadas nos esgotos de uma cidade de bêbados inúteis e burros
sempre em busca de um novo gole de álcool.
As chances de crescer aqui são nulas,
nada muda nem se fortalece,
tudo permanece na eterna troca de influências brutas e insaciáveis,
sempre buscando a própria vitória.
Sombras de vidas que ha muito se foram,
e das quais eu fiz parte,
assombrando a essência dos nosso rebentos
que sangram pelos meios fios depois de noites de orgia.
Eternas noites de orgia...
Sombra Frenética
Enviado por Sombra Frenética em 23/09/2007
Código do texto: T664352

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sombra Frenética
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 32 anos
33 textos (3887 leituras)
5 áudios (277 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 22:13)
Sombra Frenética