Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANATOMIA

Abres-me as entranhas
Começas a comer-me o fígado
Devagarinho, pedaço a pedaço,
Saboreando a víscera que ainda sangra.
Já não sobra mais nada.

Fungas, farejas.
Que vais atacar agora?
O pâncreas te parece suculento...
Começas a mordê-lo,
Logo a devorá-lo.

Ao lado, o baço convida
A continuares o banquete.
Não te sacias
Até esvaziar-me o ventre.

Rasgas-me peito acima
Sorves-me o ar que resta
Em meus pulmões,
Passando para ti
O resto de vida que ainda há.

Agora, te diriges ao meu coração.
Este eu não te dou!
Este é meu, pois nele se encerra
A alma que em mim habitou.
E esta é minha,
Não serve a teus propósitos,
Tão diferentes dos que ao longo da vida,
Dirigiram os meus passos
Pelos caminhos que trilhei.


HERMES
Enviado por HERMES em 30/09/2007
Reeditado em 19/12/2011
Código do texto: T674419

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
HERMES
Franca - São Paulo - Brasil
85 textos (4329 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 08:46)
HERMES