Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Querido Adevindo


Fazia tempo que não te declarava nada,
e no entanto já faz tempo que tu me escreves longas cartas.
As cartas tais, com letras cheias de olhares,
expressões cheias de adjetivos,
abraços com tantos verbos
e metáforas cheias de amor..
Era uma onomatopéia de confusões que nos fazia cair de rir
a beira da cama, do sofá e da mesa de jantar.
Em meio a muita ambigüidade gramatical nos deixamos levar,
chegamos ao clímax pelas anáforas de: eu te amo, eu te amo para sempre, eu te amo até não poder mais, eu te amarei até a morte me levar, até nos levar, até morrermos de tanto nos amar, até esquecer de vida por amar, até amar além da vida..
Não quero nenhuma aliteração, quero verdade em nossas vozes veladas, verões e violões, velocidade, vaidade, volúpia de volemia..
Quero bohemia, esquecer todo amor romantico,
quero deixar as hipérboles de lado!
Não meu caro amigo, não sofro de mal algum
não me encontro carente e nem mais descrente,
estou numa fase do neo-paradoxo velho,
de alguma antítese, onde todos amam, todos odeiam.
Sou fruto da nova geração.
Vanessa Bornemann
Enviado por Vanessa Bornemann em 19/10/2007
Código do texto: T701285

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Vanessa Bornemann
Mafra - Santa Catarina - Brasil, 26 anos
2 textos (69 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 09:53)
Vanessa Bornemann