Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Frankstein

Escrever é sentir.
De nada adianta digitar, digitar,
Sem nada sentir.
Será apenas um amontoado de letras
Sem significação.
Sem sentido.
Tudo tem que ter sentido.
Será?
Pra quê?
Significante e significado.
Isso já está virando aula
E o negócio é sentir,
Não se exibir.
Não ensinar.
Apenas escrever.
Transformar sentimentos em palavras.
Fazer mágica com os dedos.
Brincar com as letras,
Sonhar de ser criador.
Ser de fato criador.
Uma espécie de Deus
Que nem sempre descansa no sétimo dia.
Talvez no oitavo, no nono ou no décimo.
Deus que não é Deus pode até escolher o dia
Para nada fazer.
Ah, como é bom
Ter um livro pra ler e não o fazer, pode ser?
Um poeta já dizia isto.
Será que ele era Deus?
O deus da poesia.
Pura loucura.
Elucubrações advindas lá no âmago do meu ser.
Meus excrementos,
Meus sentimentos,
Meu sangue,
Minha alma,
Tudo que tenho em mim.
O que escrevo é o que sou.
Se me perguntas, nem eu sei o que sou.
Esse monstro à la Frankstein metido a besta,
Todo remendado, costurado,
Feito de partes coladas.
Pura poesia.
Que heresia!
Lilia Lustosa
Enviado por Lilia Lustosa em 07/11/2007
Código do texto: T727882

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lilia Lustosa
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 43 anos
14 textos (264 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 19:56)
Lilia Lustosa