Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OSSEVA

  No meu verão eu fiz nevar; em minha neve pude acender a chama que do frio me fez renascer. No meu silêncio pude gritar; no meu retrato me esconder do vazio que insiste em me encher.
  Nessa distância de você, tão perto pude perceber, que o tempo teima em nos padecer. Adoro a companhia do deserto, o errado que deu certo e o tolo que se faz de esperto, pois me ajudam a sorrir. Na areia movediça, empurrado pela preguiça afundo-me em mim, na minha distração.
  Saber viver! As coisa que eu pinto são em preto e branco- pra não errar.
  O meu viver! São traços que risquei pra menos e pra tanto- pra me acertar.
   Tenho meu ponto de vista, meu traço de analista e dois pontos de perfeccionista; quem sabe... vírgulas de egoísta. Em cada consciência, reside uma paciência, traçada quase sempre pra se descontrolar. Meu mundo se desfez da minha confusão, minha cama queimei e deitado nela em cinzas me derramei.
  Meu quarto pintei. A perda do antigo já virou passado. Lembranças que esqueço, memórias pelo avesso, minha mente é resultado do ontem e do aqui. De manhã anoiteço, de noite amanheço, consciente do estado do qual eu vivi.
   O meu rádio-relógio já está pifado.
   O seu telefonema me deixou frustrado.
   Condições que exigem verdade do que não foi falado.
Wendel Silva Leite
Enviado por Wendel Silva Leite em 29/11/2007
Reeditado em 29/11/2007
Código do texto: T757864

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wendel Silva Leite
São Luís - Maranhão - Brasil, 28 anos
16 textos (682 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 13:44)
Wendel Silva Leite