Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E N I G M A

Eu aqui
e tu justo em frente de mim
cara a cara,
quiçá numa luta corpo a corpo,
tudo querendo dizer
e sem nada falar

Tu aí
e eu justo em frente de ti
sem pensar,
sem dizer
Mudos como dois postes
de madeira
enfileirados

Postes calados
e no silêncio tudo dizendo:
nada

Ah se brotassem
das bocas nossas palavras!
Quem haveria de combater as emoções
do nosso pensar?!

Eu aqui e tu
justo aí
a lambuzar os dedos
de sequilhos e broinhas
talvez pensando em
olorosos serafins
ou ciclopes loucos
preterindo o préstito de finados

Quantos enigmas
a descalçar facetas várias!

Qual a contradição
da argila que moldou
os nossos arcabouços
em solitários calabouços?

Queria repetir calada
todo o fio condutor
de nossas vidas

Como sobreviver a
essa corrupção dos meus sentidos?

Hesito em te escutar
e não vou muito longe
Procuro um devaneio
e nada acho
- é todo em vão
o meu silêncio argento

Nada diz tua palavra muda

Tu sempre aí
à minha frente
e eu,
eu sempre aqui
tentando decifrar
desesperado enigma

Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 02/01/2006
Reeditado em 23/05/2012
Código do texto: T93389
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1467 textos (154770 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:20)
Fernando Tanajura