Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NÃO CUIDEI DO SILÊNCIO

Hoje, não tive tempo de escovar a alma
com as cerdas da atenção, do carinho e da observação.
Fui precipitado em quase tudo o que fiz.
Não ouvi o canto do pássaro e nem toquei o orvalho
prateando o dorso da relva pela manhã.
Os raios de sol infiltrados entre a ramagem das árvores
não foram notados por mim.
Os beija-flores tornaram-se invisíveis,
e as borboletas se ocultaram, misteriosas.
As fragrâncias do dia e da tarde,
o doce aroma de romã e jasmim
passaram incólumes por mim.
 
As aranhas teceram segredos em fios de luz,
imperceptíveis aos meus olhos cegos.
O zênite e o cair da tarde
escoaram-se nas areias do esquecimento.

Não cuidei do silêncio
que germina as pequenas flores azuis
da quietude no pensamento.
 
Agora, nesse momento mágico de estrelas de prata,
meus sentidos aguçados penetram a alma da noite
em percepções de ouro e diamante.

Como fui tolo por todo o dia em meu sono de olhos abertos!
 
Mas a noite chegou.
Sinto-me vivo em cada poro.
Com ouvidos atentos percebo a canção dos grilos.
E no brilho intenso do vôo breve do vaga-lume,
decifro o mistério do universo.
José de Castro
Enviado por José de Castro em 16/06/2006
Código do texto: T176799

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José de Castro
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil
2254 textos (673430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 01:58)
José de Castro