Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Não há como expressar

A magnitude da existência que nos rodeia,
Caracterizando uma paz mútua que invade corações,
Percepção intocável, porém, existente,
Notar ou não notar esta no peito o que cada um carrega,
Nomeável monumento em vários povos,

Grandiosidade persistente insiste no homem,
De causas que se afastaram do amor incondicional,
Viável e inconfundível toque de alma e de espírito,
Que sobrepuja a carne devera capa inconfundível,
Lar julgado precário que se deve prezar,

Trabalho árduo de satisfação de boa fé,
Maravilhas incontáveis de admiração total,
Belo e exuberante é Tudo e no Tudo está,
Beijos e abraços não se podem entregar,
Perto estamos, mas julgamos que não,

No respirar posso sentir sem sentir de tal costume,
Sopro proveniente que preencheu vazio,
Todos inexplicáveis sentidos de coração de tamanho desconhecido,
Só pede felicidade que não ouvimos de promessa ao barqueiro de arca,
Calou-se para não machucar e conversa sem responder em palavras,

Ações falam mais por si só,
Interesse de generosidade de Alguém sacrifica,
Notório Ser de pureza que carne derrama sangue,
Em martírio se fez a compaixão do mundo,
Por mãos de iguais que torna ao apogeu,

Todo homem morrerá e definhará,
Terá destino tomado por ato feito de um Ser que o admira,
Sara ferida no peito ou carne de carinho e cuidados prestativos,
Não admitidos por aqueles que gosta tanto,
Vergonha tenho de não retribuir o tempo gasto,

Existência abençoada nos dera e não desvendamos o que nos diz,
Devemos mostrar no peito sem pudor da timidez de admitir,
O amor de lagrimas que libertam através da plenitude,
Abre mente, coração alma clemente,
Por que não enxergar a frente,

Destemido é aquele que consegue não somente,
Abraçar o que os braços não alcançam,
Viver sem vergonha da felicidade e admirar o sorriso,
No rosto desconhecido,
Alheio com outro de beijo na alma toca,

No tormento achamos só Você que pondera e não abandona,
Traição, lagrimas de Tua face derrama por filho desnudo que batizou,
Ao revolto aconchegou-se e esqueceu,
De tudo o que representa e do ideal que deseja,
Palavras faltam para apreciar, pedir desculpas,

Admitir o que Você é, desejar a companhia, o amor, esperança,
Futuro e outro lado da existência,
Não Lhe esqueço, somente pareço desleixado,
Mas, sempre volto e tenho certo orgulho,
Filho puxa o Pai, mas nem sempre corresponde ao Mesmo,
Obrigado, eu Lhe amo,
Amém...
Léo Azevedo
Enviado por Léo Azevedo em 02/10/2007
Código do texto: T677499

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar o nome do autor e link da obra). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Léo Azevedo
Maceió - Alagoas - Brasil, 36 anos
47 textos (1846 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 06:43)
Léo Azevedo