Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POETAS

                                           POETAS
 
Tão mal são às vezes compreendidos os poetas, pelas pessoas comuns.

O poeta tem dias de apego e outros de libertação. A dolorosa essência do poeta é mesmo essa dicotomia. A pluralidade de desejos, a inconstância de ser, estar e sentir, na incansável busca da união com o TODO, porque menos do que isso é a insatisfação do poeta.
 
O poeta ora abre as asas ao sol ora se ensopa de chuva, ora sorve o ar que respira ora sufoca em recolhimento. Por vezes, é fuga. Veste-se de distância e monta na garupa do vento. Tanto se deseja solto como uma gaivota, como se deseja aprisionado, refém rendido ao amor.
 
Hoje, ele anseia ser apenas azul rasgando o Infinito; amanhã, ele é fogo, se veste de rubro e deixa vibrar a carne em arroubos de paixão. Hoje, ele é diamante, duro e impenetrável; amanhã, será cristal permeável a todos os sentimentos. Hoje, o poeta é mesa farta, enfeitada de toalha vermelha e rosas desabrochando em orgasmos multicor, onde todo se entrega, corpo e alma, se saciando em ardentes beijos e degustando as doces iguarias do Amor. Amanhã, ele se compraz na angústia da fome e deixa crescer o seu desejo até que ele todo o invada, até que rebente como um balão, libertando estrelas em arroubos de paixão!
 
E é nesta incoerência de sua alma atormentada que ele vai destilando os seus versos.
 
Ora espírito ora carne, por vezes ambos, mas sempre respirando poesia. Só assim, o poeta consegue conviver com a sua (ora gostosa ora dolorosa) incoerente e utópica essência.
 
Carmo Vasconcelos
Enviado por Carmo Vasconcelos em 08/04/2005
Código do texto: T10376
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carmo Vasconcelos
Lisboa - Lisboa - Portugal
203 textos (15408 leituras)
62 áudios (7662 audições)
15 e-livros (1368 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:18)
Carmo Vasconcelos