Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sublime Sensibilidade

     A visão deslumbrante e beleza de teu corpo nu deitada em nosso leito, vem a mente comparações inusitadas com instrumentos musicais, violino ou violoncelo. Será semelhança da forma ou leveza das linhas sinuosas? A definição pouco importa, importante é: com ternuras sensíveis curtir o momento de entrega, de amor e de prazeres.

     Tua pele arrepia em cada recanto, em cada remanso, vagarosamente, beijo forte, beijo fraco, sugo leve, sugo forte, mordisco, a ponta da língua roço, como peregrino em longa caminhada, primeiro atrás, da nuca aos pés, passando pelo delineado dorso, ancas atraentes, pernas arredondadas, e retorno pelo mesmo caminho, depois à frente, braços, ombros, pescoço, empinados seios sedutores, cintura, descendo nos membros inferiores, também retorno pelo mesmo caminho até o pescoço, por fim aos teus doces lábios.

     Minhas mãos carinhosamente saboreando o contato com tua pele, acariciando tuas curvas, a firmeza e maciez de teus montes, a destreza de meus dedos tocando tuas mais íntimas e sensíveis extremidades, a dedilhar suavemente tal instrumento delicado, atiçando tua libido, extraindo frêmitos e gemidos de prazer. Meus sentidos atentos e aguçados a qualquer de tuas sensações, despertando sensibilidade em minha alma, tomando conta de todo o nosso ser.

     Meus braços enlaça-a com vigor, pela cintura e pelas costas, encontra tua boca entreaberta num beijo úmido, uma onda de calor espalha-se por todo o nosso corpo. Beijo-te, beija-me, nossos lábios e rostos vermelhos e inchados pela irrigação de sangue, nossas línguas tocam-se, e com delicadeza as sugamos.

     Novamente, beijo forte e fraco, sugo leve e forte, mordisco, pescoço, seios, cintura, ventre, descendo até os pés, e no retorno separo gentilmente teus joelhos, subindo até a virilha pelo lado de dentro dessas grossas coxas de contornos provocantes. Aproximo do ventre, tuas pétalas róseas com meus lábios ávidos quero seduzir. Deitada de costas, com pernas entreabertas e semi encolhidas favorecem estender meus braços e com minhas mãos hora acariciarem, hora sem constrangimento pressionarem teus seios, túmidos e eriçados pelo desejo, enquanto tuas mãos acariciam meu rosto e costas.

     Semelhante abelha em busca de néctar, meus lábios pousam aqui, pousam ali, explorando tua flor saborosa. Sugo leve, sugo com mais ênfase, ao mesmo tempo que a língua roço em tua pérola sensível. Tuas mãos agarram firmemente minha cabeça, tuas pernas enlaçam meu tórax, durante mágicos instantes teu corpo treme, ouço o delicioso gemido morrer em tua garganta, seguida de forte expiração, mistura à minha saliva o teu saboroso mel que abundante escorre, de você mulher, meu anjo, meu amor. Após instantes, segurando-me pelo queixo, conduz-me até seus lábios, num beijo bem molhado também degustando o sabor do teu amor.

     Mamilos tesos roçam a pele, embriagam-nos nossos suores e mais ainda, o aroma nobre que exala de tua preciosa flor. Volto a explorar teu pescoço, colo, seios, enquanto tuas mãos macias agasalham meu objeto por tu mais cobiçado, hora acariciando-o num cuidadoso desce e sobe, hora lubrificando-o com tua seiva ao esfrega-lo de baixo para cima em tuas rosadas pétalas. Em meio a delicioso e torturante frenesi aponta-o à entrada enquanto tuas pernas pressionam meu quadril a encaixa-lo perfeitamente no teu.

    Quê... Sensação...! O contato em toda superfície sentindo as carícias das paredes úmidas de teu sexo amoldar-se ao meu. Me engole, aperta, contraem, provoca arrepios, cada vez mais expande-me, mais vigoroso fico.

    Como é bom sentir...! As carícias de tuas mãos trêmulas, o roçar cuidadoso de tuas unhas em minhas costas, nosso beijar e sugar sôfrego em ombros e pescoço.

    Quê... Delícia...! Nossas pernas entrelaçadas, tua lubrificação abundante, teu inchaço entumecer e aumentar, esses movimentos ondulantes de teu ventre sob o meu, essa falta de espaço, nossos lábios e rostos entumecidos e afogueados, nossos beijos sugados, molhados, demorados de perder fôlego.

    Enlouquece-nos...! Essa repetida dança de teu quadril! Projeção da pélvis combinada com teus baixos lábios carnudos a sugar-me, incendiando ainda mais a luxúria, a ereção rija latejar e pulsar insistente dentro de você, solicitando-lhe mais contrações, em reflexo tua pronta correspondência.

    Alucina-nos...! Cada mergulho, bem suave, escorregadio, devagar, mas com muita firmeza, variado, hora raso, hora cada vez mais profundo. Calafrios de prazeres brotam de todos os poros, gememos de excitação e volúpia intensa, e se não bastasse, massagens que você tão bem faz, essa sucção e expulsão ávidas em meu vermelho mais sensível, seguida de contrações tentando reter-me, e mesmo pressionado deslizo de retorno à tona para outro mergulho. Mais ainda, de intervalos a intervalos teus dedos cravam meus retesados glúteos, enterrando-me e mantendo-me vigorosamente às tuas profundezas. Meu jato dificilmente contido prestes eclodir.

    Em esplendido transe...! Nossos cinco sentidos inebriados, olhos reciprocamente mirando-se, procurando encontrar-se ou refletir-se. Nossos corações no mesmo ritmo de nossas almas, nossos cérebros em êxtase, não sabemos mais distinguir o que é carne, o que é espírito, o que é sentimento ou emoção, o que é seu ou meu. Estamos plenos, com a sensação de um só ser, e único desejo, só AMAR.

    Em pleno delírios...! Respirações ofegantes, batidas cardíacas aceleradas, juras de amor, ouço meu nome, pronuncio o seu, em meio a murmúrios, suspiros, palavras desconexas, o intenso e louco querer de uma só intenção, prorrogar infinda e intensa paixão.

    No maior furor, não suportando mais tantos prazeres, pressentindo o presente melhor da natureza à brindar-te, preciso inundar-te com meu espesso jorro quente mais delicioso. Teus semi serrados olhos desvairando-se em profunda retida respiração, tuas mãos contorcendo-se agarradas a grade da cama, ao mesmo tempo tuas pernas arquearem-se, bambearem-se e com ânsia projetar o púbis num esforço de assegurar ter-me por inteiro, êxtase maior então começa acontecer. Juntos gememos, urramos contidos, ao estremecermos a explosão natural do gozo supremo da paixão, para alívio esvaziando-nos e deixando-nos incrível leveza, da mesma forma que em outros corpos fomos concebidos, certamente com a mesma intensidade de um majestoso festim de delírios, amores e carinhos.

    Extenuados, sexos encharcados, lavados por fluidos teus e meus, corpos quentes, suados, molhados, exalando aromas inebriantes, nossas carícias não terminam, ainda unidos sinto tuas últimas contrações, e dentro de você quero descanso.

    Prazeres saciados, satisfação plena, trégua a exaltação dos sentidos, respirações e pulsações acalmam-se, a tranqüilidade substitui voracidade e ímpeto dos desejos, aos poucos a serenidade e languidez invadem-nos. Nossos corações transbordam suave ternura. Propiciam nossas almas entrarem em estado de graça, dádiva só para amantes, que entre suaves eflúvios de sublime energia o amor ascende, e a harmonia perfeita toma conta de todo nosso ser. Entorpecidos nessa atmosfera de especial momento, deslumbra-se a beleza do amor puro e verdadeiro. Como é delicioso amar! A existência sem ele é uma vida vazia de alegrias!

    Olhares ternos, o silêncio espalha-se, corpos colados não querem ser separados, querem só um pouco de descanso. Podemos ouvir nossas batidas cardíacas e respirações compassadas. Nossas mãos procuram-se, entrelaçam-se, e com doçura lábios mudos tocam-se demoradamente. Aos poucos delicados toques, depois afagos, lentamente os primeiros sussurros quebram o silêncio. A seguir palavras doces e reafirmações de sentimentos começam reabilitar nossas energias.

    Sussurros provocantes, em seguida ardentes um ao outro docemente excitar. Num gesto expontâneo você deita de bruço, em seguida fica de quatro e murmura, vêm amor, você me quer? Convite encantador, visão sedutora, respiro fundo, a flagrância afrodisíaca de nossas essências expande em minhas narinas dilatadas, eriçam meu sexo e desejos, a drenalina acelera minha respiração e pulsações, aguçam todos os sentidos, com ternura sensível tudo recomeça. Novamente provamos a intensa paixão do amor, que transcendem beleza e fascinação de êxtases. Provamos também outras posições até exaustão, que então desejos exauridos, almas sublimes, sorrisos transbordando endorfinas, felizes aconchegados agradecem, nosso repouso chega sereno, abraçados ao adormecer.

Gil
Gil
Enviado por Gil em 26/01/2006
Reeditado em 05/05/2006
Código do texto: T104253
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gil
São José dos Campos - São Paulo - Brasil
10 textos (721 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:57)