Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

indulto


 
a hora nona que tece o negro manto,
cobre a carne vestida de espanto;
é um quarto de tempo onde habita a razão,
o sentido desligado da emoção
nessa cela que até as paredes oram
e pouco se vê os olhos que choram.
nem a chave mestra incontrolável
alcança os ponteiros ou cabe no ferrolho,
há um vagido reprimido, indelével
que escorre em poesia e prece; um em cada olho.
 
não se fecha em desuso como rara,
mas dorme no silêncio que em si apara;
sei que arde como brasa encoberta
revirada nas luas por ela desperta.
não importa se o manto é fiado de segredos,
a cada um cabe os seus próprios medos,
mas se a hora nona se evidencia
há de ser pela procela que principia,
não se pode esconder vendavais cortantes
desarmonia febril de delirantes;
quando tudo é erigido em culto
para merecer unicamente um indulto.
Angélica Teresa Almstadter
Enviado por Angélica Teresa Almstadter em 08/02/2006
Código do texto: T109525

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angélica Teresa Almstadter
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1054 textos (55627 leituras)
25 áudios (3274 audições)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:17)
Angélica Teresa Almstadter