Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Do que há - Parte II

Parte II

Na rua a menina passeia sobre suas próprias ausências. O cheiro de carne é forte por todos os lados. Uma gota de álcool escorre do olho em chamas. Não há um só deus de plantão ao meio-dia. Fico estarrecida diante das imagens que me circundam enquanto tento sair de mim e desta coisa que me acontece como por espanto. Esta coisa é um transpor de rio. Coisa de vereda mesmo, de córrego, de quem escoa sem saber direito de onde nem pra onde. A menina e seu vestido azul deslizam na calçada, assim como o céu desliza nas nuvens. E eu tenho um furo na mão, posso ver o outro lado do que escrevo. Mas a menina não, ela está para calçada e para o vestido azul, tudo mais é o desconhecido. As cores cortam o vento. As ruas sofrem passos e pulos. A música imprime uma forma à cidade que se amontoa em tribos com direito a caciques apoiados pelo dinheiro público. Atrás da cortina não tem nada atrás da cortina, porque tudo é revelado e exposto em vísceras abertas. O desejo azul dança no meio-fio, entre as náuseas. Cai a tarde.

A mulher guarda o corpo na gaveta de baixo do armário, depois de passá-lo por horas sem conseguir desfazer-lhe as rugas.
Vládia Queiroz
Enviado por Vládia Queiroz em 26/02/2006
Código do texto: T116461
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Vládia Queiroz
Salvador - Bahia - Brasil, 41 anos
5 textos (217 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualizaçăo em 06/12/16 18:18)
Vládia Queiroz