Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O tilintar de pequenos gestos

Andava distraído pelas ruas no formigueiro urbano onde haviam vidas espremidas em tão pequeno espaço. Ninguém olhava alguém sem uma pitada de desconfiança e medo. Era comunidade de predadores, um atacava o outro, cada qual na sua individualidade. Introspectivo, caminhava e atravessava aquela assustadora massa de carne e ossos.
Dessa coisa enorme, brotou um pequeno bolo. Começou a tomar forma, odor, cor e voz. Um homem de uns trinta anos, roupas velhas e puídas, o cabelo desarrumado e a barba por fazer. Interpelou-me e fez um pedido a mim:
-Cara! Me arranja dez centavos aí! É pra inteirá um sanduba!
Tudo parou. O mundo passou a ser apenas eu e o desconhecido, cara-a-cara. Um assustado, o outro, cheio de esperança. Dez centavos! Não era sacrifício algum. Para ele, justamente o que necessitava. Mas, fiquei com receio, pois a súplica tinha um sentido de ordem. Este imperativo não se originou só daquele homem, vinha de mim também, sentimento escondido e, sempre que possível, era evitado.
Desviei-me do olhar dele. Antes de sair em disparada, disse depressa:
-Não! Não posso. Não tenho moeda nenhuma aqui!
Havia mentido. Tinha muitas delas na minha bolsa. Medroso e egoísta! Uma pessoa precisava de tão pouco e não atendi ao seu chamado. A situação funcionou como espelho. Na verdade, eu também era um ser carente. Passei a perceber a falta de um simples e bom gesto. O estranho virou irmão.
Continuei o meu caminho com os níqueis emitindo som musical. Percebi as coisas banais que são todo o significado do viver. E poderia as oferecer para quem quisesse. Comecei a ver na multidão pernas, braços, rostos, olhos, e, principalmente, sonhos.
Bobo da Morte
Enviado por Bobo da Morte em 26/05/2006
Reeditado em 26/05/2006
Código do texto: T163525

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bobo da Morte
Maringá - Paraná - Brasil, 29 anos
55 textos (2816 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:26)
Bobo da Morte