Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Imprevisível monotonia

 
  Sábado, 10 pras 18 horas... Aquela chatice... Veja bem, eu estava na rodoviária, barulhos de carros e ao redor fumaça, muita gente querendo pegar o ônibus... Um dia cinzento e eu cheio de trabalhos atrazados da faculdade..., "Graças" chegou o buzão... Abro a janela para sentir a brisa do vento... Primeira cadeira, atrás do motorista... Puxo a cadeira de modo que fico bem inclinado e coloco meus pés no alto encostado na divisória entre mim e o motorista... E sossego cobrindo meu rosto com meu boné... Sigo caminho olhando a mata verde que passava em uma rapidez fazendo-me lembrava de um pintor expressionista, por causa da deformidade... Ouvindo risos e outras conversas corriqueiras sobre política e futebol... Por bem que na minha mente estava rolando um fundo musical, daqueles que não sai da nossa cabeça um instante... Foi quando sentir um breque no buzão... Pensei, "Ah meu Deus não”. Quando olho, vejo subindo aquela jovem cheia de bolsas, linda, morena, os lábios com um baton cor de vinho brilhante... Seu perfume suave e gostoso saboreou todo o ônibus... De repente organizei-me todo e me coloquei corretamente na poltrona, então ela me perguntou;
   - Posso sentar junto contigo, moço?
   - Claro... Por favor, fique a vontade!
Seguiu-se um momento de calmaria, e o ônibus tomou o curso da viagem... Sentir-me um tanto quanto constrangido, pois aquela linda menina me olhava constantemente enquanto eu observava a estrada.
   - Você esta indo pra onde? Perguntou-me com uma voz suave e educadíssima. Respondi;
   - Estou de férias, tô indo para casa de meus amigos em Natal... Sou viajante solitário (pensei, cara, "viajante solitário” que brega careta... Hshshsh assim você não vai conseguir nada mané), tento sair da monotonia da vida praticando alguns esportes!
   - Legal... Que esportes pratica?
   - Motocross nas montanhas...
   - Perigoso... Não?
   - Acho que a vida é feita de riscos... Pois só o fato de estarmos vivos já corremos o risco de morte... Por isso tento não pensar nas conseqüências, e sim nas possibilidades de diversão!
   - É... Bom!
Sentir que ela não se impressionou muito com isso.
   - E você, o que faz pra se divertir? (perguntei isso com certo ar de superioridade, pensando... Deve fazer ciclismo no máximo, heheh).
   - Sou mergulhadora profissional da Petrobrás... E nas horas vagas gosto de praticar rapeu nos paredões da chapada diamantina... Ano passado participei da equipe que subiu o monte Aconcágua... (falava isso e me mostrava varias fotos na sua maquina digital “... Ah meu Deus que vergonha...”) Então continuou... Também estou saindo de férias, estou indo para o Alasca esquiar...
Dei uma engolida seca e murchei todo.
   - Poxa... Poxa... Poxa.... P... Logo, depois de muita conversa o ônibus para...
   - Vou ficar aqui... Ela fala pra mim... Então perguntei... (poxa, era minha ultima chance,...)
   - Qual seu telefone (...) É... É... Se talvez nós nos encontrarmos por aí, sabe. Então ela virou e me disse;
   - Bem que me disseram "Brennoh”, poxa...
(Pensei como ela sabe meu nome se eu não falei?).
   - A pancada foi muito grande na sua cabeça, estás lélé da cuca mesmo ehim!!!! Eu sou tua sobrinha... Não lembra?
Naquela hora eu gelei... Se ela sabia do meu nome sabia também que eu mentir em tudo... (e que história é essa de pancada na cabeça???) Agora pronto... Então ela falou;
   - Vá andar de moto sem capacete de novo... Ah, antes que você pense que sou rica, também mentir, as fotos são uma montagem...

   
Lililson
Enviado por Lililson em 21/08/2006
Reeditado em 18/01/2012
Código do texto: T221968
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lililson
Caicó - Rio Grande do Norte - Brasil, 38 anos
159 textos (18276 leituras)
3 e-livros (42 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:19)
Lililson