Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cacos

 A cada dia vão levando nossas utopias para mais além de horizontes longínquos e inatingíveis, sempre um pouquinho mais adiante daquela linhazinha azul...Construindo muros de Berlim em meio aos nossos sonhos. Destruindo arte em cerâmica, peças de porcelana, jóia rara. E na tentativa de reparar, colocam os cacos restantes em posições errôneas, colando-os -assim porcamente mesmo- com “superbonder” e tapando os buracos mais visíveis com “durepox”. Serve? É... por curto prazo quem sabe? Porém, logo se esfacelará, e a peça, assim como o sonho, acaba definitivamente. Não adianta tentar consertar. É pior. Atire-se aos restos pontiagudos de seus sonhos e deixe que as feridas atinjam níveis de profundidade imensuráveis, até que num determinado momento de tão continuamente insuportável e insuportavelmente contínua a dor cessa. Lateja por vezes, todavia você tem de esquecer.Talvez seja assim também com alguns sonhos.

 
Chegará o dia de você entender: Dói porque existe pra doer, espetar, cutucar, arranhar, incomodar, assim sem dó. Amor é de doer, sonho é pra fugir, flor é de cheirar, perfeição é pra irritar. E todo mundo insiste e ainda ama, sonha, foge, cheira, tenta ser perfeito e irrita!
Ana Carolina Farani
Enviado por Ana Carolina Farani em 08/09/2006
Código do texto: T235259
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ana Carolina Farani
Valença - Rio de Janeiro - Brasil, 28 anos
4 textos (171 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:22)
Ana Carolina Farani