Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eutanásia do amor

Sinto você - de repente - de certa forma tão presente, mesmo estando – fisicamente – tão distante... Admiro a lua, mas não posso amá-la como gostaria; já que não posso senti-la, medi-la ou simplesmente tocá-la – mesmo que ocasionalmente, como amante real! É algo que está em mim como o ar que respiro, me envolve e me embala, me alegra e me entristece de forma natural... Poderia ser um bem e poderia não ser, poderia ser também motivo de regalia, de sentimento exaltado, de troféu comemorado de forma passional! Experiência não vivida, apenas sentida! Palavras, simples palavras... não traduzem, certamente, o que está cravado no peito e descansa no próprio leito sem poder compartilhar. E dilui-se no tempo, no espaço, no infinito, praticando eutanásia no desespero da dor de não poder compreender o paradoxo de um amor tão sublime e bonito – impossibilitado fisicamente de amar. E literalmente se entregar! A distância se fez concreta... talvez possamos agora transpor! Coisas da vida, coisas do amor!  13/09/2006
Lourenço Oliveira
Enviado por Lourenço Oliveira em 15/09/2006
Reeditado em 10/03/2011
Código do texto: T240944
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lourenço Oliveira
Salesópolis - São Paulo - Brasil
1277 textos (109590 leituras)
23 e-livros (1394 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:12)
Lourenço Oliveira