Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

" Eu e Lairzinha e a mesma Rua "

Evaldo da Veiga




Na minha Rua morava à minha namorada Lairzinha, a mais bela
menina. Quando nos conhecemos ela somava de vida, poucos meses, um mês a mais do que eu.
Não lembro desse período, mas quando eu fiz um aninho, 
já lembro bem de Lairzinha. Não da imagem definida,
 era mais do que isso, sentia a existência dela 
como presença imprescindível à existência de minha vida.
Dizem que quando bebês engatinhávamos um, na direção do outro. Dizem muitas coisas, mas ninguém de verdade conhecia 
a nossa linguagem, mas sentiam nossa identificação, plena.
Na mesma Rua em que eu morava, a casa de Lairzinha,
 bem atrás da minha, separada por uma cerca viva, 
que me deixava ver a casa de Lairzinha e ela à minha.
Em nossa comunidade todos eram pobres financeiros e 
ricos de alma, e nunca se discutia essa relação de gente com o dinheiro.
 Era comum uma vizinha pedir a outra, alguma coisa 
emprestado, cereais, pó de café, o que era rigorosamente
 pago no mais breve tempo. Era coisa inserida no comportamento do lugar e mesmo bem menino, eu percebia a satisfação de emprestar. Alegria era ser solidário, útil, 
era assim que as pessoas sentiam.
Lairzinha tinha os olhos claros que pareciam ter usado colírio divino, e os cabelos da cor do milho, em uma tonalidade que ninguém na comunidade já tinha visto, que não fosse nos
 cabelos da Lairzinha. Ela era diferente de toda gente, 
em seu jeito Princesa, mas nunca esnobou ninguém somente 
porque Deus a fez a menina mais bela do mundo. 
Sua  voz soava em cânticos magníficos, não somente pra mim, mas também para os Anjos e para a natureza,
que sempre sorriam. 
Os olhos de Lairzinha existiam para ver a vida em alegre agradecimento, coadjuvado por um sorriso que deixava 
ver duas janelinhas na frente.
Com isso estou dizendo que Lairzinha era solidária e útil à comunidade, por sua beleza que se doava linda e gratuitamente.
Entre eu e Laizinha e a história do nosso bairro, nunca houve tantos olhares de lá e de cá, pois vivíamos para ver a vida, também, através do olhar um do outro.
Ainda não tínhamos retratos e um dia nossa coleguinha Tuti,
 nos mostrou um retratinho dela na casa de sua avó. 
Olhamos-nos, eu e Laizinha, e em silêncio fizemos um trato,
 de jamais esquecer os nossos semblantes.
 A vida nos separou quando faltava um mês pra ela, e pra mim dois, de fazermos sete anos, mas a imagem ficou no coração.
 Não tínhamos fotografia de papel, mas plasmamos à nossa,
 bem guardadinha na alma,
 onde jamais se esmaeceu pela ação do tempo.

evaldodaveiga@yahoo.com.br
Evaldo da Veiga
Enviado por Evaldo da Veiga em 05/10/2006
Reeditado em 21/02/2007
Código do texto: T257183

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Evaldo da Veiga
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 73 anos
952 textos (313607 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:38)
Evaldo da Veiga