Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Sentiminto"

Sinto que às vezes é fome
E me sinto saudades
E sinto um frio horrendo
De um medo tépido
E desonrado do fim da existência
Sinto um enorme vazio no peito
Sinto ouvir garrafas quebrando
Sinto estalos no vento


Sinto-me às vezes sem nome
E me sinto indigente
E sinto cheiro –
Cheiro de fome, ainda.
Sinto sentir o que não me pertence
Sinto às vezes que é dor
Sinto que é imediatamente o inverso



Sinto-me a última palavra do jantar
Sinto-me esquecido
Sinto-me pairando num deserto desalmado
Sinto-me reles mortal ao apreço de uma divindade
Sinto-me suficientemente incapaz de me definir
Sinto-me o meio no meio do nada



Sinto-Me às vezes compassivo
E, por vezes, demasiado agressivo.
Sinto fome e frio ainda.
Sinto-me sem vontade de regurgitar os infortúnios.



Sinto cheiro de torta
Sinto muito, mas não sinto mais nada.
Sinto minha alma desfalecida
Sinto meu corpo em chamas
Sinto minhas renúncias incandescer
Ao passo que meu cérebro rasteja sobre os resquícios de pecados



Sinto retumbar minha marcha fúnebre
Sinto ouvir rostos alegres
Sinto beijar o cinismo dos meus amigos
E sinto tocar um pequeno espaço, frio, solitário e meu –
Sinto-me “sete palmos de terra”.
Bruno Cabelo
Enviado por Bruno Cabelo em 13/10/2006
Reeditado em 13/10/2006
Código do texto: T263711
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bruno Cabelo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 33 anos
16 textos (361 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:36)