Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TORPOR

TORPOR
Quando amanheceu, a prata que encobria o céu assinalava a hostilidade daquela noite. O sol hesitava, a todo o momento, em me aquecer. Relutei, confesso que relutei naquela maldita noite em não pensar em ti, porque no fundo sabia que a manhã seria lúgubre, triste, seca e vazia; simplesmente por não te ter ao meu lado.
A têmpora tenaz cortando meus esforços de felicidade é atribuída ao tempo que fico sem te ver. Às vezes, penso que não conseguirei ficar nem mais um segundo sem te ver, que, às vezes, penso que estou louco. Tudo me faz pensar em ti, mesmo quando arrisco linhas fugazes para tentar me libertar: o sol brilha como teu cabelo, a lua, com o formato dos teus seios, a natureza, enfim, linda, porém estarrecida por não se conformar que tua beleza é maior que todas as formas naturais existentes na terra.
Revelo agora o que sinto, porque não devo me envergonhar disso: uma das maiores belezas que existe dentro de mim neste instante é meu sentimento. Talvez não entendas de imediato; mas aos poucos sentirás a embriaguês da vida na fronteira dos sentidos... E se vieres aos meus braços, teus lábios abrir-se-ão como pétalas úmidas de sangüínea corola bêbada de mel.
Ah... Jovem amada, por que és tão linda me torturando por esse passadiço semestre invejado por outros? Deixa-me, pelo amor de Deus, consolar meu lúbrico prazer na carne dessas ondas revoltas que são como taças emborcadas na claridade inebriante do teu colo, que instiga minha imaginação, fazendo-me pensar como eles são: Florações róseas de uma carne em flor que se ostenta a tremer em dois botões, no inverno que arde de paixão e que não me faz conter minhas sensações.
Estou prisioneiro, neste momento, no cárcere infinito do meu “eu”, tudo por esta paixão entranhada no meu sentimento, que, há muito, se libertou da minha sensatez, fazendo com que nesta prisão eu seja o preso e seu próprio carcereiro.
Quando à noite sinto pelo ar o sutil perfume que há em tua pele e em teus cabelos, chego à conclusão que devo me confessar... Talvez fique apenas em confissão; mas adoro meus pecados, ainda que seja apenas ilusão... O poeta é um sacerdote, e a sua religião manda falar de amor aos desgraçados, que neste caso sou eu. Conto-te, então, meu drama, meu martírio, meu estertor, assim faço-a de minha amada, minha confidente, sem saber onde tudo pode chegar.
Mesmo que não gostes de nenhuma destas linhas, mesmo que tudo que eu diga seja em vão, continuarei escrevendo sobre minha vida, conotando em minhas idéias o que sinto por ti, hoje, e talvez por muito tempo: A paixão.
Mas peço que guardes de lembranças estas linhas nobres que escrevo em devoção a ti. São simples, por isso combinam contigo, com tua simplicidade em inteligência e vontade de aprender. Ensinar-te? Quem sou eu ou qualquer mortal para ensinar-te algo? Tua beleza transcende qualquer ato mortal.
Despeço-me agora, mas deixo a imagem de minha alma desenhada nestas palavras, que, certamente, desconfiarás quem é; e fico com a paciência do meu sonho que é ter-te um dia, mesmo que me faça em pedaços essa fantasia, tu, deusa em forma de mulher.



Eduardo Dias
Enviado por Eduardo Dias em 03/11/2006
Código do texto: T281068
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eduardo Dias
São João de Meriti - Rio de Janeiro - Brasil, 36 anos
15 textos (467 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:27)
Eduardo Dias