Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Centelhas de Esperança




Abro, sorrateiro, a porta

Dobro minhas gavetas no armário

Penduro minha alma suja no cabide

Vasculho a geladeira à procura de um manto para vestir

Refresco-me com alguns pingos de chuva que brotam do piso

Encaro a janela como se fosse a única

Beijo a face polida da minha anistia

No arrabalde, ouço entoarem cânticos de purificação

Quem estará pronto a atender minhas preces?

Volto para a mesa de jantar

Quiçá minha última refeição:

Um prato fundo desencarnado, um copo vazio

Um triste leitão sorrindo a derrota de um covarde

Aprecio, uma vez mais, antes de deitar-me, aquela janela ensombrada

E o que vejo são centelhas de esperança

Desfaço minha cama e deito-me no teto

Como um inseto revestido num sonho distante
Bruno Cabelo
Enviado por Bruno Cabelo em 17/11/2006
Código do texto: T293915
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bruno Cabelo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 33 anos
16 textos (361 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 09:07)