Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Chimarrão e a Vida

        Andei cismando outro dia de conceituar a vida. Insistente pergunta acompanhou-me dias a fio: “O que é vida?”
Procurei explicação na fala de meus filhos e do marido. Embora não explicassem, disseram-me o que fazer com ela: “... vida é algo prá ser bem aproveitado”.

Insatisfeita continuei a procura da resposta. No domingo, pensei, quem sabe hoje no sermão do padre. Que nada!
-Vida é um mistério! Afirmou o senhor vigário. Ao invés de aquietar-me, contribuiu para aumentar minha inquietação!

Preciso encontrar algo mais claro, convincente que me aquiete a alma. Com minha terapeuta "psicologizei"., filosofei,  devaneei. Penso que a vida é um rio.
Eu sou o leito. A vida, a água que neste leito corre.

As vezes, o dono das terras, por onde corre o rio pode desejar estreitar as comportas e, eu, o leito do rio, preciso aprender a me acostumar, aceitar, satisfazer-me mesmo quando apenas um pequeno filete de água corre pelo rio.

Afinal, também há no rio, momentos em que as comportas se abrem e a água da vida jorra em abundância. Faz verdejar suas margens. E, o sol vem banhar-se em suas águas cristalinas.

 Então, vida é isso? Movimento incerto, ou certo. Talvez seja! É preciso estar atenta, para saber mergulhar conforme a profundidade do momento?!

Gostei da idéia. Não totalmente! Algumas dúvidas continuaram povoando meu pensamento, assim como a pergunta que não se cansou de me importunar: o que é vida? Em meu íntimo, fervilhavam idéias e junto a estas, a idéia de prazer, que rima com sorver...
Sorver, que embora não rime, tem tudo a ver com chimarrão. Especialmente, prá gente do sul, em meados de setembro.

Assim, numa bela manhã quando o sabiá assoviou na minha janela, a resposta veio e, veio pronta a explicação: O que é vida?
A vida é como o chimarrão!
Vida é para ser sorvida gole a gole, sentir todo sabor que cada gole oferece.
Se for depressa, perde-se o prazer do momento, corre-se o risco de queimar a garganta.
Se for muito devagar, esfria, perde o sabor. Morno, fica insosso.

O segredo talvez  esteja em saber curtir o seu próprio ritmo. Dar o devido tempo que cada gole merece.
O chimarrão ao ser saboreado com prazer, junto a cada gole permite curtir, sentir todas as emoções que fazem parte de uma roda de chimarrão.
O calor da cuia aquecendo as mãos.

O sabor do amargo que faz refletir sobre a lida e, vai destravando a língua pr'uma  prosa sincera, as vezes,  verdadeira abertura de coração.
O chimarrão compromete.

Uma vivência concreta de solidariedade, de partilha.
A troca da cuia entre as mãos, bem mais que um simples gesto, um selo invisível de cumplicidade.
Vidas se entrelaçam. Idéias se questionam. Sonhos  se enroscam.  I Assim como se fundem ideais e sentimentos se intricam, também as dores são partilhadas, enquanto a cuia aquece, passando de mão em mão.

Teria realmente, algo a ver com o que é a vida, esta cultura popular? Este costume da gente simples da campanha, que em agradável companhia, faz verdadeira filosofia, ao apreciar a vida numa roda de chimarrão?!




Gelci Agne
Enviado por Gelci Agne em 19/11/2006
Reeditado em 19/11/2010
Código do texto: T295866
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gelci Agne
Carazinho - Rio Grande do Sul - Brasil, 58 anos
566 textos (33687 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:16)
Gelci Agne

Site do Escritor