Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Aquela gaivota...

Aquela gaivota já não é a mesma. Antes, planava sobre as ondas, mergulhando aqui e ali, bicando os peixes que se aventuravam na linha divisória entre o céu e o mar. Triste e sem gorjeio, jaz prostrada num canto qualquer de pequena duna branca, como se o mundo deixasse de existir. Penso nos possíveis vãos motivos pelos quais a ave tagarela deixou de sorrir, mas não encontro resposta. A não ser que tagarelar seja a chave do grande teatro ilusório, conhecido por vida. Ou então, a vida é um grande e ilusório teatro, onde todos se põe a tagarelar em cena. Quando a cortina fecha e a platéia  dorme, a tagarelice cessa. Vem a inexplicável vontade de chorar baixinho para ninguém ouvir. Acho que foi por isto que a gaivota preferiu o silêncio. Desistiu do teatro vida. Por isto eu prefiro o silêncio. Para não acordar a platéia, que continua dormindo.
             Paulo Orlando dos Santos
Paulo Orlando
Enviado por Paulo Orlando em 18/07/2005
Código do texto: T35545
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Orlando
Cabo Frio - Rio de Janeiro - Brasil
173 textos (4999 leituras)
5 áudios (454 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:52)
Paulo Orlando