Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Faxina no Quarto

Ando pensando em fazer uma poesia, mas não sou boa com versos, nem com os sentimentos.

Hoje acordei com vontade de dormir. Me levantei, abri o sol e tive vontade de sorrir. Fechei a porta do céu e a do inferno. Hoje não tenho vontade de nada.

Abri umas gavetas, organizei sonhos e saudades. Fiz uma faxina e o meu lixo se encheu!

Agora vôo! Pra longe e pra perto! Pra onde já fui e pra onde nunca estarei.

Hora de cuidar de mim! Deixei o ralo levar a sujeira que saía de mim embora. O sabonete cor-de-rosa penetrou por todos os meus poros. Minha alma agora brilha como minha blusa amarela. O vento bate em meus cabelos e levanta minha saia, pregueada e rodada, divertida como outrora fui.

Meus pés descalços pisam no piso frio, mas minha cabeça está quente e perto da Lua e de Vênus.

Estou confortável agora. Talvez pense no resto ou naquela cueca azul no meu armário. Talvez pense no que está entre a Terra e o Sol ou talvez não pense em nada.

Escrevo metáforas que não são metáforas – acredite! A pena desliza sobre o papel do poeta, mas a minha caneta ainda é pesada.

Um gnomo me olha incessantemente, acho que o vi em algum lugar dos sonhos arco-íris. Entre um coração e seu chapéu tem muito mais do que se imagina e do que eu desejo. As aparências, agora eu sei, nunca enganam – descobri nas minhas gavetas.

Não quero atender ao trim-trim. Gosto do cheiro de pele. Mas o choro desprotegido me impede de manter-me em estado de transe.
Acordei.
Meg Casarin
Enviado por Meg Casarin em 27/07/2005
Código do texto: T38083
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Meg Casarin
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
8 textos (4510 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 11:53)
Meg Casarin