Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Da real necessidade

- O que você precisa?
- Precisamente? Pesada mente? Contínua mente? Só mente?
Instantâneo.
Efervescentes pássaros tagarelas cheios de mãos que cutucam as feridas espalham mazelas e como sempre, no humano amargo cultivam a dor. Esse sangue que escorre nas cadeiras não sai do útero-ferimento, sai sim do pensar contente que se cultiva na farsa diária do diáfano sorriso, das palavras que fluem intensas e flutuam nos olhos taciturnos que na madrugada indagam:
Onde andas?
Com quem?
Quais os teus motivos (motores perdidos) combustíveis antigos...?
O músculo dolorido não cansa de brotar. E vai brotar sempre, pois, como já foi lido, dito e tantas vezes repetido: Em si plantando tudo dá!
Tudo dá para crescer e renascer. As mãos não acompanham as sensações, jamais...... fica muito perdido, perdidas sensações presas nos cabelos...as palavras se misturam, elas parecem fundir: nasce um novo idioma, assim idiomático, idiossincrático, dicotômico e dinâmico.
Deixe a língua se mexer! O rosto se contrai, mas não retrai nenhuma parte que não seja para ser traduzida, transferida, parida, cuspida e eternamente ferida jorrando o pulso, jorrando impulsos que não podem, não devem ou não querem se calar.
Não cale! Não pare! Uns se vão e as crias ficam nada é em vão. Vão sentir, pois tudo se baseia em, através dos poros todos do ser, sentir e traduzir universal e, por vezes, abissal sentir.
Abismado! Sim! Aquele que se abriga no abismo, no escuro e cinzento, na fumaça abstrata,... se repete, em si repete, tal qual som que reverbera no seu pobre vocabulário que se combina infinitamente e cria profundas melodias que sempre serão novas, mas com as mesmas notas que sempre sempre
Sempre
Sente?
Repetem-se. Competem. Compilação do ser.
Destinação da arte: inútil?
Parece. Parece que não para. Não pare na discórdia: tudo é um mote, um modo transversal-transformador de sintonias. Sintonias diferentes que ecoam ecoam ecoam em redundâncias mais que necessárias. Aquilo sim...sim...é poesia! Em cada folha, em cada texto, impregnado no contexto, designam as palavras: soldados universais para o que é inominável.
Vive-se em torno do que não se toca. E, se toca, é música e não se pode pegar.



Em 08/09/07

Laís Romero
Enviado por Laís Romero em 24/09/2007
Código do texto: T666567
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Laís Romero
Teresina - Piauí - Brasil, 30 anos
23 textos (668 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/17 04:06)
Laís Romero