Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O poeta é louco

  Que venham as tragédias que virão pela loucura de escrever como escrevo agora.
  Prefiro poeta a poetisa. É um termo mais sucinto e fácil de ser pronunciado, mas não o prefiro por esta razão. Penso a primeira palavra como aquilo que embrulha todo o infinito com uma só mão. Muitos podem não acreditar na imensidão de signos e histórias que cabem dentro do vazio de uma linha, em que um poeta, que seja um poeta qualquer, creditará o tudo da sua vida e a amplidão dos seus sonhos. E quantos sonhos têm os poetas...
  Cada qual a seu tempo e maneira, são os poetas quem constroem as asas de cera e as casas de madeira, as vidas completas e também as vidas censuradas e mortas, mesmo que estejam vivas. Será que você me entende?
  É o poeta quem vai no fundo dos sentidos, ele adquire conhecimento de causa de modo a ser justo o suficiente para enquadrar nos seus versos os pensamentos íntimos do seu alvo, conhecendo os precisos passos e as horas que se vão em risos e choros.
  Vai cheirando e desvendando pé diante pé o que se guarda com tanta primazia e também com tanto medo, o condenado e o aparente. Quem de nós nunca pensou ou nunca sentiu... E se perguntou depois como é que se pode imaginar uma coisa assim?
  Pois sim, o poeta é o dono da verdade, não da verdade universal e científica, aquela que estuda os corpos e os astros, no entanto, é mister em distinção entre o podre e o perpétuo de qualquer cantinho que houver em nós e for tanto além do corpo e bem abaixo do sonho. Eis que, para o poeta, o sonho é um limite que anuncia apenas o breve tempo para um novo horizonte. E faz deste tempo e espaço mais amplos, vívidos e cheios de graça.
  Sabe, o poeta é aquele que, como diria Vinícius de Moraes, anda com pés no chão sem tirar os olhos dos céus. Na minha visão, o poeta não tira os olhos é da lua. A lua é um modelo de perfeição diante dele, que se vê tão pequeno e duvida da capacidade de descrever algo semelhante. O poeta ama a mulher, guardando no espírito seu semblante, de violão ou de amante. E respeita que tal mulher, seja ela de cadeia ou de sertão, de beleza ou de aventura, deseja ser sempre a lua do poeta.
  Mas o poeta tem um lamento... Um lamento só. Não sabe nada ou quase nada de si mesmo. Ele passa tantas horas a observar o ritmo das ruas e do coração das pessoas que se esquece do próprio poeta que mora dentro dele. E desta forma, o poeta segue a lamentar sem miados, choro nem vela e nunca, mas nunca se arrepende de ter perdido a vida entre olhares furtivos e letras na cabeça, que preenchem a linha vazia. E no fim do soneto, o poeta ainda descobre a passividade dos seus amados protagonistas em continuar suas vidas esvaziadas. Quem manda é o coração. O poeta é louco, eu sou poeta.

Géssica Ranieri
Enviado por Géssica Ranieri em 12/10/2007
Reeditado em 15/10/2007
Código do texto: T691169

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Géssica Aparecida Botelho dos Santos). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Géssica Ranieri
Santo Antônio de Pádua - Rio de Janeiro - Brasil, 27 anos
36 textos (7579 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 13:29)
Géssica Ranieri