Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poesia Incoerente

Sua crença é sua traição. Ao se depositar fé em um elemento, está se abrindo o caminho para o desengano. Sendo assim, tudo tende ao desengano – a vida é a grande incerteza.

O significado é uma construção. A liberdade é um termo de significação complexa e irrequieta – liberta de significado definido, como todas as palavras. Para alguns, muitos jovens, a liberdade é a utopia de uma vida perfeita. É duro reconhecer, ainda mais quando se é jovem, que a liberdade pode ser um medo, não uma alegria.

Eu venderia minha liberdade por abraços apertados, um choro de Amor e um beijo pleno.

A dor psicológica, a dor da moral, é o mar de incertezas que te clama a se afogar. Os focos da vida ficam todos misturados, por essa moral feia, dita bonita pelos bons homens... Como seria bom poder me aliviar numa orgia entre irmãos.

Essa dor me rouba a vida de uma maneira que eu não podia aceitar para um jovem promissor. Se eu faltar com meu trabalho e lhe dissesse a verdade... o que você pensaria?

Eu faltei, eu realmente fui omisso, eu deixei ácaros pelo chão... Perdoe-me, passei a noite dentro de uma caverna de opressões, aprendendo nada sobre a Dor Interminável, o grande sentimento deste mundo.

                            amor X DOR INTERMINÁVEL
                            (comparação quantitativa)

Duas maneiras de eliminar a Dor Interminável:
a) Fazer como seus pais, limitar a vida. Dentro de limites, a vida se torna confortável, e se como eu você for um semi-fracassado, acaba por se tornar uma segurança de que coisas mais desagradáveis surgirão.
b) Esqueça que a Dor Interminável exista; alguns conseguem, outros limitam sua vida – em casos extremos, o limite termina com a própria vida.

A esperança, essa nunca morre, ora essa.
A esperança pode ser a grande espera, mas pode ágil às vezes. Decerto, a esperança é a grande faca de dois gumes da existência: te apunhala ou te ajuda a cravar a chance. Cada um conta com sua sorte e experiências sobre o assunto.

A desigualdade é importante. A desigualdade pode ser um peso ou uma leveza. Sorte sua se for uma leveza.

Já acreditei em muita coisa pra aliviar o peso da minha existência. Sinceramente, é a coisa mais patética que existe. Mas, para você senhor pateta, digo:
- a vida acaba, logo, logo... estes tempos, ah, estes tempos... não foram diferentes dos outros tempos... os tempos são desiguais, mas as conjunturas básicas, nunca...
- é tudo um esquema pra você se sentir cada vez pior, mas, se você se sentir melhor assim mesmo, todos te aplaudirão.

A irmandade e a família são vírus anti-liberdade. Quando falar que gosta de liberdade, lembre das irmandades em sua vida e veja se abraça tão bem a liberdade.

A liberdade não condiz com o mundo. Assim, é tanto um crime quanto um antídoto.

Eu venderia minha liberdade por abraços apertados, um choro de Amor e um beijo pleno.

Esta passividade ancestral, contraposta à excitação corporal, é uma das angústias do homem moderno.

Anseios, anseios, anseios.

Eu tenho a liberdade nas mãos, mas não sou livre. Minha vida é pesada.

Já acreditei em muita coisa pra aliviar o peso da minha existência. Sinceramente, é a coisa mais patética que existe. Mas, para você senhor pateta, digo:
- a vida acaba, logo, logo... estes tempos, ah, estes tempos... não foram diferentes dos outros tempos... os tempos são desiguais, mas as conjunturas básicas, nunca...
- é tudo um esquema pra você se sentir cada vez pior, mas, se você se sentir melhor assim mesmo, todos te aplaudirão.

Não haverá aplausos, não neste âmbito.

A vida foi feita para ser morrida.

– em casos extremos, o limite termina com a própria vida.

Morrer, a atração é forte, mas o mistério assusta. A intenção é o não-pensamento, o não reflexo: objetivo de vida de boa parte das pessoas.

É o meu objetivo.


                                  Marcelo Oliveira Lima
                                       1989 – 2007
                       “Nunca livre, na morte uma esperança”

Não pude fazer muito, mas tenho torcido pelo fim das convenções sociais. Como ouvi uma vez, as pessoas merecem sofrer menos.

A conclusão é de Allan Sieber.

A morte ainda não fez seu efeito, mas tenho esperanças de que a Dor Interminável termine.
A morte é uma faca de dois gumes...
Marcelo Oliveira
Enviado por Marcelo Oliveira em 15/10/2007
Código do texto: T694523

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcelo Oliveira
Feira de Santana - Bahia - Brasil, 28 anos
43 textos (3983 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 01:17)
Marcelo Oliveira