Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Coisas e causos

Papai gostava de mato. De sítio e fazenda.
Mamãe, que passou a infância no interior queria nutrir-se da cidade.
Da praia e das ondas.
Estava com passagem marcada para estudar na França quando conheceu papai.
O Jovem bonito dos mil amores, Que desses mil abdicou
Para concentrar-se somente em um.
Bom partido. Profissional de carreira emergente.
Ela, católica de comunhão diária.
Moça pobre interiorana, inocente.
Ele sem convicção. Coração livre de ódios, mas também sem nenhum grande fervor.

Papai, tecia histórias tentando fazer-nos rir ou sonhar – os filhos.
E contava sobre a vez que encontrou  um homenzinho
 que foi crescendo até ficar do tamanho de um  poste.
Sobre quando só faltava um passo para chegar no alto de um morro
mas preferiu voltar correndo para casa...
E
- Eu já fui barnabé – falava papai.
Querendo mostrar que todos nós temos que construir nossos sonhos
 e que isso depende de determinação e suor..
Quanta coisa ele queria dizer ao nos repetir:  Eu já fui barnabé.
Só hoje compreendo -, Esta fala era sinônimo de dizer:
 Façam valer suas vidas.
 
Mamãe possuía o dom de acalmar.
Qualquer pesadelo, medo ou angústia,
 iam embora diante das palavras
confiantes da minha mãe.
Dona das frases que espantavam tristezas
Expulsavam doenças ou males.
Voz de reza, voz das certezas:
Amanhã tudo vai dar certo!
Magdala Moreira
Enviado por Magdala Moreira em 05/11/2007
Código do texto: T723775

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria de Magdala Cascabulho Moreira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Magdala Moreira
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
106 textos (10234 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 04:34)
Magdala Moreira