Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sede.

Madrugada solidão.
Retratos na tela refletem o que já não estão.
Instantes de pessoas que já fizeram.
Pessoas que já não estão.
Apenas retratos.
E as pessoas fizeram algo.
Na madrugada, tudo que é presença reflete uma ausência.
Sinto a falta.
Sinto a falta do que foi feito.
Está apenas em um instante fotográfico.
O instante fotográfico é ausência do que a fotografia registra.
Procuro encontrar a presença e amenizar a solidão,
A sede que me consome,
Sede de vida.
Ah, como tenho sede.
Pensei que era cansaço.
Não é cansaço.
É sede.
Por isso não morro, não descanso, não me vicio em nada que entorpeça.
Quero a lucidez para sugar os instantes de vida, nacos de atenção, de carinho,
De risos, de ação que me dão para sair do marasmo dessa sede.
Ah, que sede.
Tenho sede e não há água que me sacie.
Arpejo
Enviado por Arpejo em 20/11/2007
Código do texto: T744177

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor w o link para o site "www.sitedoautor.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Arpejo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 39 anos
83 textos (3514 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 13:07)
Arpejo